quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Seis coisas para você NÃO fazer em um cruzeiro marítimo

Sabe aquele famoso ditado: "Quem avisa amigo é"? Então confira algumas coisas que você não deve fazer durante os seus dias a bordo!

1. Esquecer de colocar o alarme para te acordar em uma cabine interna

As cabines internas têm uma particularidade que já fez muitos marinheiros de primeira viagem perderem o dia quase todo dormindo: elas não têm janela! Por causa disso muitas pessoas acordam, veem que ainda está completamente escuro e voltam a dormir. Mais tarde elas acordam de novo e, como ainda parece estar de madrugada, dormem de novo.
Acredite: isso acontece com muito mais frequência do que você imagina! Quando os descansados cruzeiristas finalmente resolvem olhar a hora, já está muito tarde e eles perderam diversas atividades e refeições :(

2. Se atrasar!!

Preste bem atenção: Aqueles horários de partida de cada porto que você viu no itinerário do seu cruzeiro são a hora que o navio vai partir do porto, você não vai ficar na cidade até aquela hora!
Apesar de não ter um horário tão inflexível quanto o de um avião (atrasou? Tchau), os navios também têm hora para partir. O comandante é quem decide se e quanto tempo dá para esperar por passageiros atrasados, mas chegando a esse limite ele tem que partir e deixá-los para trás. As consequências disso são que o passageiro terá que arcar com todos os custos para chegar no próximo destino e o navio poderá precisar navegar mais rápido para chegar a tempo, aumentando o consumo de combustível.
Para evitar que isso aconteça e você não seja aplaudido por todo mundo do navio ao chegar atrasado, veja a hora marcada para retornar (o "Todos a Bordo") e lembre de ajustar seus relógios para o horário local.

3. Não ler o Diário de Bordo

Sabe aqueles programas que todos recebem diariamente nas suas cabines? Então, eles devem ser lidos! Neles têm diversas informações importantes para o seu dia e todos os horários de atividades e refeições. Você pode destacar a parte com os horários e levar consigo durante o dia. Uma dica legal é levar uma caneta para marcar as festas e eventos que você não quer perder!
Quem diz que ficou entediado durante o cruzeiro com certeza não leu a programação do que estava acontecendo nos dias a bordo, por isso achou que não tinha nada para fazer. E eu posso garantir que se não ler e marcar exatamente onde e quando cada atividade que você tem interesse vai acontecer, você não irá encontrá-las por acaso dentro de um navio imenso. Mas fazer nada também é uma opção :)

4. Não comparecer ao exercício de emergência geral

O Muster Drill, que acontece pouco antes da partida do porto, é obrigatório para todos os passageiros, independente de quantos cruzeiros você já fez. Nele você saberá para onde ir e o que fazer em caso de emergência. Em todos os pontos de encontro há tripulantes passando o cartão de todo mundo para confirmar a presença, então quem não comparecer receberá no fim do dia uma carta na sua cabine pedindo que compareça a um novo treinamento no dia seguinte com os demais faltosos - enquanto todo mundo estiver aproveitando o navio.

5. Fazer todas as refeições no restaurante Buffet

O restaurante self-service é incrível para quem quer fazer um almoço rápido com sua roupa informal super confortável depois de sair da piscina. Mas em todos os navios existe pelo menos um restaurante à la carte. Não deixe de ir! Ao contrário do que muitas pessoas pensam, eles não ficam abertos apenas durante o jantar; também é possível  tomar café da manhã e almoçar nele. As comidas costumam ser mais elaboradas e saborosas e a apresentação é um destaque a parte. O clima de um restaurante principal é muito mais aconchegante, não tem aquela correria e, dependendo do horário, filas do buffet.

6. Chegar nos portos sem saber o que fazer

Leia com antecedência quais são as atrações de cada porto e faça reservas de passeios ou veja onde ficam os melhores restaurantes, bares e lojas para ir por conta própria. As excursões podem ser do navio ou não, isso você é quem escolhe. As do próprio navio são mais caras mas oferecem a tranquilidade de garantir que você não irá chegar atrasado de volta no navio - se isso acontecer ele irá aguardar.
Chegar sem saber de nada que tem para fazer pode ser frustrante, enquanto outras pessoas que se programaram irão aproveitar ao máximo os destinos visitados.

Copyrigh© RG Cruzeiros. All rights reserved. Imagens e Textos com direitos reservados. Rodrigo Guerra

sábado, 30 de setembro de 2017

Como os Navios são Pesados?

Essa postagem é para responder a uma pergunta bem interessante que eu recebi: Você sabe como os navios são pesados?

Se pesquisar informações sobre um navio você irá encontrar, além de dados como comprimento, número de cabines e capacidade de passageiros, quantas toneladas aquele navio pesa.

Algumas respostas que você pode imaginar para essa pergunta é que cada peça é pesada e posteriormente todos os valores são somados, contando ou não com tudo o que está dentro do navio. Outra teoria seria que ele é colocado no mar e a quantidade de água que ele desloca é medida. Com isso o peso do navio é calculado.

Tecnicamente dizer que um navio pesa 100 mil toneladas não é correto, mas é como todos nós somos acostumados a dizer. O que acontece na verdade é que eles não são pesados. Os navios são medidos.

O valor que nós vemos é a Arqueação Bruta (Gross Tonnage ou GT, em inglês) do navio, calculada com base no volume total das áreas fechadas de uma embarcação. Essa medida é usada como referência para classificar os navios em ordem de tamanho, o que causa certa confusão. Ao ver que o MSC Meraviglia, por exemplo, mede 315 metros de comprimento e o Queen Mary 2, 345 metros, muitas pessoas concluem que o QM2 é maior, quando na verdade, devido à altura e a largura, o Meraviglia é maior: 167.600 GT vs 151.000 GT. O comprimento é usado para comparar iates e lanchas. Isso explica porque muitos dos mega iates têm proas enormes. Vale de tudo para ficar no topo da lista!

Como calcular

Acessei o site americano da Wikipedia, de onde também retirei os valores da tabela ao lado, para explicar como são feitos os cálculos baseados na Convenção Internacional de Medida em Toneladas de Navios.

Para isso são necessárias duas variáveis:

V -  o volume total em metros cúbicos do navio;
K - um multiplicador baseado no volume.

O valor de K varia de acordo com o volume do navio e é encontrado da seguinte forma:
K = 0,2 + 0.02 x log10(V)

Depois de calcular o valor de K, a arqueação bruta é encontrada multiplicando-se  K e V:
GT = K x V.

Um exemplo dado é o de um navio com volume total de 10.000m³ (V = 10.000):
K = 0,2 + 0.02 x log10(V)
K = 0,2 + 0,02 x log10(10.000)
K = 0,2 + 0,02 x 4
K = 0,28

Substituindo K e V na fórmula encontramos que:
GT = K x V
GT = 0,28 x 10.000
GT = 2.800 

Logo, um navio com volume total de 10.000 metros cúbicos tem 2.800 toneladas de arqueação bruta.
 
Copyrigh© RG Cruzeiros. All rights reserved. Imagens e Textos com direitos reservados. Rodrigo Guerra

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Cruzeiros no Caribe e Furacões: Tudo o que você precisa saber ‹ P&R #3 ›

Nos últimos dias vocês mandaram diversas mensagens pelo Direct, no Instagram, com perguntas sobre o terrível Furacão Irma, que devastou muitas ilhas do Caribe Leste e chegou até a Flórida.
Apesar de ser insignificante quando comparado às perdas materiais e de vida que milhões de pessoas enfrentaram, os furacões também afetam os diversos cruzeiros que circulam o ano todo por lá. Nesta terceira edição do Perguntas e Respostas eu vou esclarecer o que acontece em relação aos navios em uma situação dessa.

No mês em que eu vou viajar pode ter furacões no Caribe?

Furacão Irma. Créditos: NOAA/CIRA
A temporada de furacões no mar do Caribe vai, todos os anos, de Junho a Novembro. É raríssimo ocorrer a formação de um fora desses meses. Isso acontece porque a água do oceano está mais quente por lá nessa época do ano, o que alimenta os furacões. Eles sempre se formam em cima do mar, ganham força ao encontrarem águas com temperaturas mais elevadas e perdem força ao chegar em terra.
O problema das ilhas no Caribe é que muitas delas são pequenas e estão no meio do oceano, então os furacões praticamente não perdem força enquanto passam por elas. O Irma destruiu ilhas, como a de St. Maarten, ao passar por elas classificado como categoria cinco, a mais forte da escala, com ventos que chegaram aos 300km/h.
Esse é mais um motivo para sempre ter um bom seguro de viagem. Nessa situação é possível receber reembolso das passagens e do hotel que você tiver reservado. Como no dia 30 de agosto foi divulgado que a Irma, ainda classificada como uma tempestade tropical, deveria se transformar em um furacão nos dias seguintes, só os seguros contratados antes dessa data tiveram validade para esse tipo de ressarcimento. Quem paga por um seguro após o furacão já ser conhecido não tem cobertura, já que eles cobrem apenas imprevistos.

O navio pode ser atingido e afundar durante um furacão?

Quanto a isso, não tenha medo de reservar um cruzeiro nesse período de furacões. A rota e força deles são calculadas a todo momento, as pessoas são avisadas com dias de antecedência e os navios simplesmente mudam as suas rotas para um local seguro. Quem está em um hotel, por sua vez, fica ou preso nele ou tem que evacuar o local se uma ordem for dada pelo governo. E isso aconteceu com o Irma: o governador da Flórida mandou todas as pessoas que estavam no sul deixarem as suas casas e procurarem um lugar seguro mais ao norte. Inclusive muitos turistas daqui do Brasil que estavam lá ficaram sem saber para onde ir, então outros brasileiros que moram por perto, em especial na Georgia, ofereceram abrigo em suas casas depois de ser criado um grupo em uma rede social.
Mas lembre que o Irma foi um furacão fora dos padrões, um dos mais fortes da história. O normal é que as pessoas só fiquem em casa aguardando a passagem deles e que os estragos sejam pequenos pelas cidades. Então é, sim, seguro viajar de navio nesses meses e os preços são mais baixos que na alta temporada de cruzeiros.

O que acontece se eu tiver um cruzeiro reservado no Caribe e um furacão chegar lá?

Primeiro é preciso ver se a sua viagem é pelo South, Eastern ou Western Caribbean - Caribe Sul, Caribe Ocidental (Oeste) ou Oriental (Leste), respectivamente - e saber por onde o furacão irá passar. O Caribe que mais recebe furacões é o Leste, porque eles normalmente se formam como tempestades tropicais próximas à costa africana, atravessam o Oceano Atlântico ganhando força e, devido ao encontro de correntes de ar com sentidos contrários, passam a ser um furacão. Um cruzeiro no Caribe Sul, por exemplo, não é afetado por furacões com a rota do Irma porque ele não embarca na Flórida e os itinerários, principalmente os no sudoeste, ficam fora da área atingida.

Por causa do Irma, as companhias de cruzeiro alteraram ou cancelaram todas as viagens que estavam marcadas para o Caribe Leste. Quando o cruzeiro é cancelado as empresas reembolsam todo o valor pago pela viagem e oferecem um desconto de 25% em um futuro cruzeiro com a mesma companhia que venha a ser reservado dentro de um mês ou um ano, dependendo da empresa. Para aqueles que já estavam a bordo, os navios voltaram mais cedo para os seus portos de desembarque e foram dadas, pelas companhias que desembarcam em Miami e Fort Lauderdale, duas opções aos passageiros:
1) Quem quisesse desembarcar no porto poderia descer e receberia um reembolso equivalente aos dias restantes da viagem que precisaram ser cancelados. Também foi oferecido o desconto para um cruzeiro futuro;
2) Aqueles que não tivessem um lugar para ir ou preferissem continuar no navio poderiam ficar a bordo sem pagar a mais por isso. Como os portos de Tampa, Miami, Fort Lauderdale e o Port Canaveral (próximo a Orlando) precisariam ser fechados, os navios partiram para o Caribe Oeste, uma área segura por estar fora da rota do furacão. O que aconteceu foi que algumas viagens de uma semana, por exemplo, tiveram menos dias para alguns e duraram até dez dias para outros. Algumas companhias também ofereceram o desconto de 25% em uma próxima viagem para esses passageiros.

Quanto tempo depois do furacão os navios podem voltar a fazer os cruzeiros normalmente?

Isso depende da intensidade do furacão e de como ele afetou cada ilha.
St. Maarten, St. Thomas, Tortola e Key West foram tão destruídos que os portos estão fechados por tempo indeterminado.
A Norwegian cancelou todos os cruzeiros para o Caribe Leste que estavam marcados até Novembro; todos os passageiros estão sendo comunicados que as viagens serão alteradas para o Caribe Ocidental.
Segundo as últimas notícias, a Royal Caribbean deve continuar operando na região porém substituindo as ilhas que estão impossibilitadas de receber navios. St. Kitts e St. Croix são duas opções.
Outro fator que também vai atrasar a volta de alguns navios foi que a Norwegian e a Royal Caribbean mandaram alguns de seus navios para resgatar turistas ilhados nos locais mais afetados do Caribe e também levaram alimentos, água e gelo para os moradores locais.

Lembrando mais uma vez: o Irma foi um furacão com uma força fora do normal.

Copyrigh© RG Cruzeiros. All rights reserved. Imagens e Textos com direitos reservados. Rodrigo Guerra

domingo, 27 de agosto de 2017

Novos navios de cruzeiro com lançamento em 2017 e 2018!

2017

Outubro
Viking Sun - Viking Ocean Cruises
A Viking era uma companhia que operava apenas navios fluviais, navegando - com muito luxo - pelos principais rios europeus. Quando a empresa anunciou que iria ingressar no mercado de cruzeiros marítimos, com o início da construção do Viking Star no fim de 2013, os entusiastas reagiram de forma positiva. Desde então ela já opera o Star, Sea, Sky e está para receber o Sun em Outubro de 2017 e o Spirit em 2018. Os navios são destaque entre os cruzeiros de alto luxo e há até quem diga que eles oferecem a melhor e mais luxuosa experiência em um navio, concorrendo diretamente com Seabourn, Silversea, Crystal, Hapag-Lloyd e Regent Cruises. Todas as cabines dos cinco navios têm varanda e os passageiros ainda podem escolher uma excursão em todos os portos sem custo adicional.

Novembro
MSC Seaside - MSC Crociere
O primeiro navio da classe que leva o seu nome já está em fase final de construção no estaleiro de Fincantieri, na Itália. Esse é o primeiro navio da MSC a receber um nome em inglês (seaside significa beira-mar) e também será o primeiro a ter o ser evento de inauguração realizado fora da Europa. Depois de completo ele seguirá para Miami, seu porto base, e lá acontecerá a grande festa. Com um design inovador esse será o navio de cruzeiros com a maior proporção de áreas ao ar livre jamais vista na história da navegação, com o objetivo de colocar os passageiros mais próximos do mar. Ele será dedicado ao mercado norte-americano e navegará junto com o Divina, partindo de Miami.

2018

Março
Carnival Horizon - Carnival Cruise Line
O irmão gêmeo do Carnival Vista será chamado Carnival Horizon. O segundo navio da classe terá algumas pequenas modificações em relação ao projeto original. Na popa estendida, em relação à classe Dream, serão instaladas varandas com uma vista bastante privilegiada. Há um comentário geral circulando sobre como essas cabines devem vibrar e ser barulhentas por estarem em cima da sala de máquinas. Mas na verdade não são novas cabines sendo instaladas; no local já existem cabines externas, só serão adicionadas varandas a elas. Então se isso fosse um problema ele já existiria no Vista e em todos os navios da classe Dream. As viagens do Horizon terão o Caribe e as Bahamas como destino partindo do porto de Miami, Flórida.

Flying Clipper - Star Clippers
Esse é o mais diferente da lista. Isso porque ele é um navio a vela sendo construído no século XXI! Apesar de ser um navio do futuro ele tem design do passado, se inspirando nas grandes caravelas e nos atuais irmãos mais velhos que fazem parte da frota. Apesar de ser capaz de navegar usando apenas as suas velas, ele terá hélices que serão usadas quando a força do vento não for suficiente e para atracar nos portos.
A decoração a bordo é inspirada nos navios da era dourada da navegação e, no total, são mais de três mil metros quadrados de velas! A frota atual da Star Clippers conta com dois navios: Royal Clipper e Star Clipper. As viagens são bastante exclusivas e os passageiros são, em sua grande maioria, viajantes mais experientes.

Abril
Symphony of the Seas  - Royal Caribbean International
O mais novo maior navio de cruzeiros do mundo vai ultrapassar, como já é de costume, o seu irmão mais velho, o Harmony of the Seas, por uma pequena diferença na tonelagem de arqueação bruta. Mas qualquer coisa a mais já é o suficiente para levar o título. As últimas atrações da classe Oasis, da Royal Caribbean, estarão presentes nele, como o Ultimate Abyss, um tobogã de 10 andares; o Bionic Bar, onde os drinks são servidos por robôs; e as pulseiras inteligentes que funcionam como o Cruise Card. O Symphony of the Seas será o primeiro Oasis a ter Miami como porto base. A Royal Caribbean está construindo um terminal imenso para suportar o trânsito de mais de 12.000 passageiros por dia e projetos de alargamento do local de manobra do porto precisaram ser feitos.
 
Norwegian Bliss - Norwegian Cruise Line
O mês de abril será marcado pelo lançamento de outro gigante. O Norwegian Bliss é uma variação da classe Breakaway-plus e será dedicado a cruzeiros pelo Alasca, o que explica a arte do artista Wyland pintada no casco. Esse será, inclusive, o maior navio a navegar pela região. Seu projeto é muito parecido com o do Norwegian Joy, que foi construído especificamente para o mercado asiático.
Durante o verão no norte ele fará viagens pelo Alasca e no inverno, quando tudo fica gelado demais lá em cima, ele partirá para Miami, de onde fará viagens com destino ao mar do Caribe. Dentre as atrações ele levará pela primeira vez aos EUA uma pista de kart em alto-mar, algo encontrado apenas no Norwegian Joy.

Maio
MSC Seaview - MSC Crociere
O gêmeo do MSC Seaside já está em alta nas conversas entre os brasileiros apaixonados por cruzeiros! Na semana passada ele foi flutuado pela primeira vez e a sua vinda para o Brasil no fim de 2018, quando ainda estiver com poucos meses de construção, está confirmada. Ele terá partidas do porto de Santos durante a temporada 18/19 e já foi assunto de uma publicação aqui no site: confira mais sobre o maior navio a navegar pelos mares brasileiros clicando aqui.
 
Seabourn Ovation - Seabourn Cruises
Gêmeo do elegantíssimo Seabourn Encore, o Ovation também chega para concorrer com os líderes do mercado de cruzeiros de alto luxo.
Tanto o design externo quanto interno chamam a atenção e os serviços de atendimento, as refeições e o luxo por todos os lados são um destaque. Uma exclusividade com alto preço mas que recebe vários prêmios de revistas e sites especializados em cruzeiros. A alta proporção de tripulantes por passageiros, as espaçosas cabines, refeições de alto padrão e a sensação de espaço a bordo são sempre elogiados nos navios da Seabourn Cruises. A companhia costuma incluir o Brasil nas suas viagens mais longas, então podemos esperar uma visita dele nos próximos anos em alguns dos nossos portos.

Junho
Viking Spirit - Viking Ocean Cruises
O quinto irmão da família Viking Ocean :)

Dezembro
Nieuw Statendam - Holland America Line
Esse será o segundo integrante da classe Pinnacle, que já conta com o Koningsdam. Os dois são os maiores navios da HAL e têm a missão de manter a "Assinatura de Excelência" que a companhia promete entregar a todos os passageiros, mesmo em navios de grande porte. A decoração clássica complementada com alimentação e serviços premium tornam os navios da companhia bastante diferenciados, ficando no nível de empresas como Princess e Celebrity. Durante a temporada 2018/2019 ele ficará baseado no tradicional porto Everglades, em Fort Lauderdale (Flórida), de onde vários navios da empresa já navegam.


Celebrity Edge - Celebrity Cruises
Há um bom tempo o mercado de cruzeiros estava esperando o projeto Edge, da Celebrity, ser apresentado. Ao chegar ele provou que a ansiedade tinha um motivo. Posicionado na mesma faixa de tamanho da classe Solstice, o Celebrity Edge será o navio de grande porte mais diferente que você verá por um bom tempo. Ele possui um elevador laranja multifuncional do lado direito, chamado de Magic Carpet, que anda por 14 decks e funciona como um bar, um restaurante ou ainda um píer para embarcar e desembarcar os tenders. Além disso ele terá as Edge Villas, seis cabines de dois andares na frente do navio, e jardins enormes no deck superior. As cabines com varanda terão uma parede de vidro do chão ao teto que poderá ser aberta pela metade, o que aumentou o espaço da cabine. Já em Dezembro ele estará em Fort Lauderdale fazendo viagens para o Caribe Leste e Oeste.
 


Todas as imagens são renderizações para divulgação das respectivas companhias de cruzeiros.
Copyrigh© RG Cruzeiros. All rights reserved. Imagens e Textos com direitos reservados. Rodrigo Guerra

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Cruzeiros em Navios de Carga?

Luxo, tripulantes preparados para prever as vontades dos hóspedes, inúmeras opções de entretenimento e milhares de passageiros de todas as idades a bordo. Isso é tudo o que você não encontra em uma viagem em um navio de carga. Aliás, você sabia que é possível viajar como passageiro em um navio porta-container?
Imagem: CMA CGM
Esse talvez seja o mais exótico tipo de cruzeiro. É até difícil dizer se é possível chamar isso de cruzeiro. O navio serve apenas como meio de transporte, você desembarca junto com milhares de containers nos locais de escala e as rotas são bastante diferentes das que somos acostumados - quase sempre não inclui a volta. Seria um transatlântico? Bom, é um "cruzeiro em navios de carga".

RMS Santa Helena
Centenas dos milhares de navios cargueiros que estão navegando neste momento oferecem cabines para passageiros. A maioria deles tem capacidade para apenas 12 pessoas (fora a tripulação), já que as leis marítimas passam a impor diversas exigências quando o número de passageiros ultrapassa esse número - como a existência de um centro médico a bordo. O navio desse tipo com a maior capacidade de passageiros é o pequeno RMS Santa Helena, para 128 pessoas.
Algo que atrai os viajantes a navegarem acompanhados de containers é a possibilidade de reservar uma viagem até um porto, passar dias ou até semanas nessa cidade e reservar a viagem de outro navio partindo dali para o próximo destino. Mas para isso é preciso comprar com muita antecedência, já que as cabines esgotam rapidamente. Alguns navios oferecem rotas regulares, incluindo os trechos de ida e de volta, como Ásia  - Mediterrâneo, EUA - Ásia, Europa - EUA - Austrália, Europa - Guiana - Brasil, Canadá - Ásia, Le Havre - Caribe, Ásia - Mar Adriático e Mediterrâneo - EUA. As rotas dos cargueiros não regulares podem muitas vezes serem mudadas e os horários são muito flexíveis. Sabe aquela plaquinha "todos a bordo às x horas" durante os cruzeiros? Em um navio de carga não dá para determinar uma hora exata assim; a partida vai acontecer só quando as cargas tiverem sido embarcadas ou desembarcadas, o que varia muito de porto para porto, dia para dia e dependendo da quantidade de carga em trânsito.

Img: marcopolocruises.net
Img: marcopolocruises.net
O entretenimento a bordo é algo que depende do bom convívio com os oficiais e os demais passageiros. Jogar cartas, ler um livro, conversar, ver o mar e acompanhar o trabalho do comandante e oficiais durante a navegação e o embarque e desembarque de cargas são as principais atrações. Mas lembre que os tripulantes estão lá para trabalhar, então durante grande parte do dia eles não podem dar atenção aos hóspedes.
Como boa parte do tempo os passageiros terminam passando nas suas cabines, elas são bem maiores que as oferecidas pelos navios de cruzeiro intermediários. As áreas públicas são compartilhadas pelos tripulantes e passageiros e alguns navios oferecem academia, biblioteca e até uma pequena piscina. É uma boa oportunidade para os amantes da navegação viverem durante até meses um pouco do que é a vida dos marinheiros, inclusive diretamente da ponte de comando e da sala de máquinas.

Durante a viagem são inclusas três refeições por dia. Elas são preparadas por um chef a bordo e também são servidas para os tripulantes e passageiros juntos. Como há garçons e camareiros é preciso, assim como nos navios de cruzeiros, pagar uma gorjeta para eles. Mas o valor aqui é bem menor.

Os preços da viagem - na faixa de 100 dólares por dia - não são muito inferiores aos praticados pelas companhias de cruzeiros, mas a experiência de viajar ao redor do mundo dessa forma é única. Claramente esse é um tipo de viagem voltado para os viajantes mais experientes, mas é preciso prestar atenção na idade. As companhias costumam não permitir idosos acima dos 80 anos e nem crianças muito pequenas porque em quase todos os navios não há hospital, podendo ser exigidos exames médicos que comprovem a boa saúde de quem pretende embarcar. Também não são permitidas gestantes a bordo.

Você não vai conseguir reservar uma viagem dessa indo em uma agência de viagens qualquer, é preciso procurar um agente especializado em cruzeiros em navios de carga ou reservar pelo site da própria companhia. Só para citar o nome de algumas delas: Bank Line, CMA CGM, Hamburg-Süd, Mediterranean Shipping Company (MSC) e St. Helena Line.

Quem já viajou em um navio de carga como passageiro conta que se você tiver tempo disponível e gostar de aventuras, vale cada centavo. Ver o nascer e pôr do sol no meio do mar e deitar no deck superior para observar as constelações no meio do silêncio e da escuridão das noites já pagam a viagem. As pessoas que você conhece e as histórias que escuta e vive fazem com que uma viagem de 40 dias entre os EUA e a Austrália seja uma experiência extremamente enriquecedora, suficiente para escrever um livro.
A outra opção é passar quase um dia sentado em um avião.

Copyrigh© RG Cruzeiros. All rights reserved. Imagens e Textos com direitos reservados. Rodrigo Guerra

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Qual é o Navio Mais Luxuoso do Mundo em 2017?

Existem alguns navios de cruzeiro que ficam posicionados entre os navios que somos acostumados e um iate particular. Esses são os navios de alto luxo, em sua grande maioria de pequeno porte, com taxa de quase um tripulante por passageiro, muito espaço a bordo e o que há de melhor em alimentação, serviços e amenidades.
Eu gostaria de ter embarcado em cada um deles para contar a minha experiência mas, como o dinheiro não permite, vamos conhecer essas joias flutuantes e saber o que algumas pessoas que já viajaram neles têm a dizer sobre os navios mais luxuosos do planeta.

MUDANÇA NO RANKING

Img: Regent Cruises
A Regent conseguiu tirar a Hapag-Lloyd da sua posição de liderança no mercado de extremo luxo. Apesar de algumas pessoas dizerem que é possível encontrar cruzeiros com experiências próximas às do Europa 2 e com preços consideravelmente inferiores, o flagship da companhia alemã sempre levou grande parte dos troféus para casa. Para conseguir esse feito a Regent Cruises precisou desconsiderar os preços de tudo na hora de trazer o Seven Seas Explorer para os oceanos e posicioná-lo como o mais luxuoso dos sete mares. Os três designers responsáveis pelos interiores disseram que a palavra "não" era raramente ouvida pela área de finanças da companhia quando o assunto era aumentar o valor de construção do Explorer. Um exemplo disso é que se reservar a suíte mais luxuosa desse navio você irá dormir confortavelmente em uma legítima cama king size Savior No. 1, que custa a bagatela de 120 mil euros.
Continuando a lista de navios de alto luxo, a Viking Ocean Cruises, com os gêmeos Viking Star, Viking Sea e Viking Sun; Crystal Serenity, da Crystal Cruises; Seabourn Encore, da Seabourn; e Silver Muse, da Silversea, disputam um posto muito próximo do líder. Todos esses navios citados aqui são tão luxuosos e únicos, em inúmeros sentidos, que algumas pessoas que tiveram a oportunidade de viajar neles disseram não conseguir decidir qual é o melhor! Mas vamos para o detentor do título:

REGENT SEVEN SEAS EXPLORER

Img: RSSC
Resultado de três anos de design e 18 meses de construção por 1500 trabalhadores diretos, o Regent Seven Seas Explorer, de 55.200 toneladas, tem  capacidade para no máximo 750 passageiros, garantindo muito espaço a bordo e um excelente atendimento, prestado por 559 tripulantes. Isso resulta em uma proporção de um passageiro por tripulante em praticamente todas as viagens.

"O que define luxo no aquecido mercado de cruzeiros atual é mais do que apenas Picassos na parede e rolhas de champanhe sendo sacadas em todos os lounges e galerias (apesar de você ter os dois no Explorer). A real extravagância é o modo como os passageiros são tratados, começando com o fato de que tudo é incluso no preço. A partir do momento em que você sobe a bordo, tudo está pago: o caviar, a lagosta, o vinho, serviço de quarto, gorjeta dos tripulantes, excursões em terra, entretenimento, palestras, Wi-Fi e passagem aérea executiva para te trazer e levar de volta para casa."
FORBES - What makes Regent Seven Seas Explorer 'The Most Luxurious Ship Ever Built'
David Hochman (2017)
A Regent Suite conta com duas varandas. Img: RSSC
Navio ou apartamento de luxo? Img: luxurycruises.co.uk
A bordo, uma suíte chama atenção pelo seu tamanho, luxo e preço. Apesar de todas as cabines terem varanda, muito mármore na decoração e tamanho mínimo de 30m², o que já é impressionante, a Suíte Regent  mede 412 metros quadrados e oferece, entre outras coisas, sala, jardim, mini SPA, carro particular, guia de excursão, mordomo, itens de banho da Hermès e L'Occitane e canapés servidos todos os dias. Ah, ainda dá para tocar uma música no piano de 250 mil dólares.
Um dos restaurantes. Img: @CaraGoldsbury via Twitter
Para se hospedar na cabine mais luxuosa da história da navegação é preciso desembolsar 4.700 dólares por pessoa por dia! Ela está localizada em uma privilegiada área, acima da ponte de comando, e tem tanto mármore que o projeto do navio precisou ser repensado para colocar tantas pedras pesadas em um andar tão alto. Para deixar a parte de cima do navio mais leve, e viabilizar os luxos da Regent Suite, o vidro de todos os parapeitos foram substituídos por grades. Vocês podem não estar entendendo porque estou falando tanto de mármore, mas é porque a quantidade de mármore que tem nesse navio, metade dele Carrara, daria para cobrir um campo de futebol americano inteiro!

Um dos vários bares. Img: RSSC
"O navio é espaçoso, obviamente novíssimo e reluzente. Tudo chama a atenção dos seus olhos. O mármore nos banheiros...", disse uma passageira em um documentário da rede de televisão britânica Channel Five. O marido dela complementou: "Nós continuamos a nos perguntar se ainda restou algum mármore na Itália". São pelo menos 25 metros quadrados da pedra em cada banheiro.

Além disso, cristais e ouro também fazem parte da decoração. Só com lustres de cristal foram gastos dois milhões de dólares. Os restaurantes do Regent Explorer servem uma tonelada de lagosta em um cruzeiro convencional de duas semanas. Já o riquíssimo acervo de pinturas expostas a bordo, que é, obviamente, composto inteiramente por obras de arte originais, vale mais de cinco milhões de libras esterlinas.

O preço desse barquinho? O equivalente a mais de 1 bilhão e 500 milhões de reais. É normal não conseguir dimensionar um número desse, então aqui vai um exemplo: a quantidade de Honda Civics zero quilômetro que dá para comprar com esse dinheiro é suficiente para fazer uma fila do aeroporto de Guarulhos até o porto de Santos. É muito dinheiro.

EUROPA 2

Img: Hapag-Lloyd Cruises
Apesar de o Seven Seas Explorer ter conquistado a maioria dos críticos, eu achei justo falar um pouco do antigo detentor do título.
Um dos oito restaurantes. Img: Hapag-Lloyd
O Europa 2 também tem atendimento especializado, com taxa de no máximo 1.3 passageiros por tripulante; todas as cabines também possuem uma varanda bastante espaçosa; as suítes mais caras têm banheiro com vista para o mar e até sauna privativa; possui aproximadamente 900 obras de arte originais a bordo e alguns dos melhores vinhos e champanhes do mundo. As cabines mais baratas não saem por menos de 600 dólares por dia por pessoa, mas aqui a sensação de espaço consegue ser ainda maior que no Explorer. Ele tem 10.000 toneladas a menos, mas são apenas 500 passageiros e 370 tripulantes no máximo e as menores suítes têm excelentes 35m². A Hapag-Lloyd pode se orgulhar porque ele ainda oferece, e com uma boa margem, o maior espaço por passageiro entre todos os navios do mundo. Outro diferencial do Europa 2, comparando inclusive com o seu irmão mais velho, o Europa, é que ele adota um clima informal a bordo. Não há dress code. Isso atrai uma quantidade maior de passageiros que ainda não atingiram a terceira idade. A Hapag-Loyd costumava focar no viajante alemão, mas passou a também adotar o inglês a bordo recentemente, fazendo com que o número de passageiros falantes dessa língua aumentasse exponencialmente.
Outro diferencial é o fato de ele possuir 8 restaurantes, algo que só acontece normalmente em navios muito maiores que ele. Além disso o atendimento é feito por garçons europeus, o que facilita bastante a comunicação com os passageiros.

UMA ANÁLISE DESSE MERCADO

Quando nós estamos falando sobre o nível mais elevado da indústria mundial de cruzeiros, as diferenças entre os navios passam a ser muito pequenas. Esse é o topo da pirâmide, então luxo, atendimento personalizado, chefs renomados e exclusividade são uma regra. Até a vibração dos motores tem que ser praticamente imperceptível para o navio receber a cobiçada certificação "Comfort Class", uma exigência nesse nicho.
Uma das cabines mais simples do Silver Muse. Img: Silversea
As diferenças ficam mais nos detalhes. Por exemplo: todas as cabines do Silver Muse, da Silversea, têm serviço de mordomo, algo que existe em apenas 88 das 374 suítes do Seven Seas Explorer, servidas por 12 mordomos treinados durante seis meses. Mas as amenidades de banho e os cobertores, toalhas e travesseiros na Regent são ainda mais luxuosos e existem mais tripulantes disponíveis a bordo. Por isso é tão difícil fazer um ranking: são todos únicos e podem oferecer as viagens mais relaxantes possíveis, mas de  maneiras diferentes.

Como bem disse uma jornalista do Dallas News que teve a oportunidade de viajar no Europa 2: "Qualquer pessoa que exigir mais espaço e atenção pessoal deveria fretar um iate particular." Só assim para conseguir ultrapassar o limite do topo da pirâmide.

Copyrigh© RG Cruzeiros. All rights reserved. Imagens e Textos com direitos reservados. Rodrigo Guerra

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Por Que os Navios Flutuam?

É incrível quando você se dá conta de que aquele carpete sequinho que você está pisando no navio está na verdade em cima de uma coluna d'água com até mais de dez quilômetros de profundidade. Isso é uma das coisas que me fascinam - e assustam outros - na navegação.
Mas você já parou para pensar como é que um navio tão grande e tão pesado não afunda? Esse é mais um assunto para uma conversa rápida com vocês!

Fascinante ver o Fascinosa Flutuando
Eles flutuam justamente porque são muito grandes

Existe uma relação entre a massa e o volume de um objeto que é denominada densidade. A densidade (massa ÷ volume) mostra qual a concentração da matéria de algo, ou seja, em que área aquela massa está distribuída. Imagine que você chega em uma loja de brinquedos e encontra um carrinho que pesa 20kg: você certamente iria achá-lo extremamente pesado quando pegasse! Agora você saiu da loja e foi até uma concessionária para conhecer um carro recém-lançado e o vendedor te diz que ele também pesa 20kg. Sem acreditar, você pega o veículo pelas maçanetas e o levanta do chão. É inacreditavelmente leve!!
Mas como pode os dois carros com os mesmos 20kg serem um absurdamente pesado e o outro incrivelmente leve? A explicação é que a massa do carrinho está concentrada em um volume muito pequeno, deveria ser um bloco maciço de metal esculpido, enquanto a massa do carro fictício está distribuída em um volume muito maior. Certamente ele não tinha nada dentro, era só uma carcaça.

Levando isso para uma escala exponencialmente maior - a de um navio de cruzeiro - nós podemos começar a entender porque uma estrutura com centenas de metros de comprimento, dezenas de metros de largura e dezenas de andares de altura consegue flutuar. Apesar de serem muito pesados, os navios são muito grandes e têm muitas áreas vazias.

O segredo é a combinação da área de contato do casco com a água, a grande quantidade de áreas preenchidas com ar e o empuxo do oceano:
Um navio como o Oasis of the Seas (não deixe de ler a nossa avaliação dele clicando aqui!) tem, fazendo um cálculo grosseiro, uma área de 23 mil metros quadrados (362 metros de comprimento por 64 de largura, mas a base dele não é um retângulo). Lembrem que também existe uma grande parte do navio que fica submersa, ele não é como uma prancha de isopor que fica só na superfície da água. O Oasis, nosso exemplo, tem mais de 9 metros abaixo da linha d'água. O resultado é que por ter grandes áreas "ocas" (não é um bloco maciço de aço), a densidade resultante do volume submerso preenchido predominantemente com ar, este com pouca massa, é muito baixa.

Mas a densidade baixa por si só não é o que faz o navio flutuar. A Terceira Lei de Newton explica tudo:
"A toda ação há uma reação oposta e de igual intensidade: as ações mútuas de dois corpos um sobre o outro são sempre iguais e dirigidas em sentidos opostos"
Imagine que você e outra pessoa estão com patins de ski. Se tentar empurrar o outro em cima do gelo você também vai para trás, não só quem foi empurrado.
Isso acontece com um navio também. Quando ele é colocado no mar há um deslocamento enorme de água, um volume igual ao da área que fica submersa. Como essa força age de cima para baixo, o oceano "empurra" de volta o navio, como em uma tentativa de reocupar aquela área com a água. Essa força de baixo para cima é chamada de empuxo. Quando o navio chega a uma certa profundidade a força de cima para baixo e a de baixo para cima se igualam, fazendo com que ele flutue.
Esses fatores são levados em consideração pelos projetistas para que, depois de colocado tudo dentro do navio, ele fique na linha d'água com a altura desejada e tenha um centro de gravidade o mais baixo possível, para que não tombe. Um objeto com centro de gravidade extremamente baixo é aquele brinquedo "João bobo". Você pode colocá-lo até de lado que ele volta para a posição vertical! A ideia é chegar o mais próximo possível disso. Por isso os andares inferiores são feitos de aço e concentram todo o maquinário pesado, tanques de água, depósitos e as principais áreas públicas, enquanto os decks superiores são constituídos por materiais muito mais leves.

E por que ele afunda quando entra água? Porque a água é muito mais pesada que o ar. Dessa forma a massa aumenta muito e o volume continua o mesmo, resultando em uma densidade muito alta.

Copyrigh© RG Cruzeiros. All rights reserved. Imagens e Textos com direitos reservados. Rodrigo Guerra