sábado, 19 de setembro de 2015

Os navios de cruzeiro são realmente seguros?

Muitas pessoas têm medo de fazer cruzeiros marítimos por motivos diversos, sendo os principais o risco de enjoar e o navio afundar. Além desses dois clássicos "problemas" dos navios, existem outros como o grande risco de contrair norovírus pelo aglomeramento de pessoas em um local fechado; e o risco de infecção alimentar causada pelo armazenamento, manuseio ou desinfecção indevida das dezenas de toneladas de comidas a bordo.
Com essa publicação quero desconstruir várias imagens erradas criadas sobre os navios a partir de casos muitas vezes isolados e que são generalizados para os cruzeiros até hoje.

O navio pode afundar em alto-mar!

 

O medo de um naufrágio é muito presente no imaginário das pessoas, principalmente no daquelas que depois de assistir ao filme Titanic disseram: "Não viajo em um navio nem que me paguem!". É importante lembrar que, 103 anos depois, muita coisa mudou. Para se ter uma ideia, naquela época quando um navio entrava em uma área com icebergs, o comandante aumentava a velocidade do navio para "passar mais rápido da área de risco". Tanto tempo depois, o que aconteceu naquela época não deveria mais atormentar os marinheiros de primeira viagem do século XXI, inclusive essa tragédia serviu de lição para diversas regulações que surgiram desde então.
Img: Wikimedia
Apesar disso não podemos negar que existem, sim, chances de o navio afundar; do mesmo jeito que existem chances de o carro bater, o avião e o elevador caírem ou o trem sair dos trilhos. Riscos sempre existem, mas é importante dizer que uma pessoa ao entrar em um automóvel ou, principalmente, subir em uma moto, tem chances incomparavelmente maiores de se envolver em um acidente que a bordo de um navio. Para deixar claro, os navios de cruzeiro ocupam a quinta posição na lista dos meios de transporte mais seguros do mundo! - nem precisa dizer que o carro passou longe de entrar nessa lista.
Os navios que navegam atualmente possuem as tecnologias náuticas mais avançadas do mundo, inclusive os da atual geração contam com as mesmas usadas pela marinha americana, fazendo com que os diversos radares, GPS, cartas náuticas e outros itens permitam uma navegação precisa por rotas predefinidas e com o auxílio do piloto automático.
Apesar de toda essa tecnologia e profissionalismo envolvidos, é possível que existam falhas humanas ou no sistema. O caso mais recente de um grande navio afundando foi o do Costa Concordia, em 2012, mas vale dizer que o navio estava com o piloto automático ativado e seguia sua rota normal, o comandante que imprudentemente desligou o sistema e levou manualmente o navio para perto da ilha de Giglio em uma ação puramente exibicionista que acabou com um naufrágio e a morte de 32 das mais de 4.200 pessoas que estavam a bordo.
Norwegian Dawn encalhado nas Bermudas. Img: G1
No começo de todos os cruzeiros os passageiros são obrigados a participar de um exercício de emergência 30 minutos antes da saída do porto, o chamado Muster Drill. Com esse treinamento todos os passageiros saberão para onde ir e o que fazer caso o alarme de emergência geral (soado antes do treinamento) seja acionado. Depois do caso Concordia ficou evidente que a demora para abandonar o navio foi fator determinante para a morte daquelas 32 pessoas e, por isso, os comandantes estão mais atentos que nunca, avisando de imediato aos passageiros e tripulantes caso algo ocorra. Um exemplo foi o Norwegian Dawn, que encostou em um banco de areia e imediatamente o alarme foi soado e todos os passageiros se dirigiram para os seus locais de emergência, uma medida de precaução fundamental nessas horas. Apesar do susto o navio foi puxado do local e continuou viagem normalmente.
Caso o navio venha a afundar em alto-mar, todos eles possuem botes salva vidas suficientes e grandes, podendo enfrentar ondas e chegar com segurança ao porto mais próximo. Os botes dos navios da atual geração são feitos para flutuar e navegar mesmo se estiverem inundados! A bordo de cada um existe kit de primeiros socorros e alimentos. Mas fiquem tranquilos que quase todos os botes salva vidas feitos até hoje nunca foram usados para abandonar um navio afundando.

Eu vou enjoar e passar a viagem toda vomitando!

 

Esse assunto já foi tema de uma publicação que até hoje está entre as mais lidas do RG Cruzeiros. O medo de enjoar é um dos primeiros que surgem quando se fala sobre cruzeiros com alguém que nunca fez esse tipo de viagem. Então esse assunto já foi abordado de forma detalhada e com diversas dicas para evitar esse problema, mas só vou dizer que em média apenas 3% dos passageiros enjoam a bordo, então isso é muito menos comum do que se imagina. Para saber mais sobre o assunto "enjoo" clique aqui e leia a publicação "Como evitar enjoo nos navios de cruzeiro".

Riscos de saúde

 

Infecção alimentar e norovírus são dois pesadelos tanto para os passageiros quanto, principalmente, para a tripulação. Existem diversos órgãos que fiscalizam de forma extremamente rigorosa os navios de cruzeiro, como o VSP (Vessel Sanitation Program) dos Estados Unidos. Uma ou duas vezes por ano todos os navios que transportam americanos são vistoriados pelo VSP de forma minuciosa, desde o gerenciamento de água e alimentos, até a limpeza de todo o navio. O Berlitz Guide 2015 ressalta que os navios obtêm resultados extremamente bons nesses testes e coloca que:
"Entretanto, se a mesma inspeção do USPH (inspeção da saúde pública americana) [usada nos navios de cruzeiro] fosse aplicada com os mesmos critérios em restaurantes e hotéis em terra (dos Estados Unidos), estima-se que 95% ou mais iriam ser reprovados."
Vale lembrar que para poder continuar a navegar, todos os critérios devem ser atendidos, se não o navio é impedido de sair do porto até que tenha todas as irregularidades resolvidas. Ou seja, imagine que no mínimo 95% dos hotéis e restaurantes que você frequenta nos Estados Unidos seriam interditados!

Quanto ao norovírus, o mesmo guia ressalta que "aproximadamente 23 milhões de americanos por ano são diagnosticados com os efeitos do norovírus" e que isso não é algo que dentro do navio tem muito mais chances de ser contraído. O problema é que o ambiente fechado pode propiciar a contaminação de mais pessoas, já que o contágio é feito por contato direto ou por alimentos (principalmente vegetais) mal desinfetados, porém o mesmo também pode acontecer em um shopping e ninguém deixa de sair de casa por isso. Com isso em mente as companhias investem pesado em prevenções, limpando constantemente locais onde as pessoas pegam e disponibilizando álcool em gel na entrada dos restaurantes e bares. Apesar de existir o risco do contágio a bordo, quase todos os casos de pessoas que apresentaram os sintomas - diarreia, vômito e dores abdominais - não contraíram o norovírus a bordo, e sim já embarcaram com ele e os sintomas (que surgem a partir de no mínimo um dia) só começaram no navio.
Caso ocorra de um passageiro ou tripulante surgir com os sintomas citados, ele é isolado em sua cabine e todo o navio é higienizado. Depois que a pessoa é levada para o hospital, a cabine também é completamente desinfetada, colocando os lençóis e toalhas em lavadoras especiais para casos como esse.
O fator determinante para apenas poucos casos (embora sejam fortemente noticiados) de contaminação pelo norovírus acontecerem de fato a bordo dos navios é o cuidado com a seleção, transporte, desinfecção, armazenamento e manuseio dos alimentos. A saúde e segurança das pessoas a bordo são prioridade para as companhias, por isso tudo é rigorosamente cuidado para não acontecer nenhum problema. Os navios são uns dos lugares em que todos nós podemos comer tranquilamente uma folha de alface, com a garantia de ela ter passado por uma desinfecção bem feita, já que qualquer falha na gestão alimentar pode custar muito caro para a imagem da empresa, que estará estampada nos principais jornais como "aquela onde várias pessoas tiveram infecção alimentar".

Diante de tudo o que foi mostrado, analise que é muito mais fácil um carro capotar que o navio afundar; as chances de enjoar em um navio são de apenas aproximadamente 3% e pode ser resolvido com um remédio; e quanto à limpeza e gestão alimentar, saiba que você está correndo muito mais riscos de contrair uma doença em mais de 95% dos hotéis e restaurantes dos EUA que em um navio!
Boa viagem!

Copyrigh© all rights reserved. Imagens e Textos com direitos reservados. Rodrigo Guerra.

17 comentários:

  1. Eu sou uma dessas pessoas que assistiu Titanic e disse que não faria um cruzeiro nem que me pagassem!!! Hahahahah
    Algumas amigas minhas que já fizeram cruzeiro estão loucas pra fazermos um juntas mas eu MORRO DE MEDO!!!!! To pesquisando na internet varias coisas sobre cruzeiros e realmente parece ser muito tranquilo!
    Realmente eu deveria ter muito mais medo de andar de carro do que de navio!!! Acho que eu vou mesmo, todas elas amaram os cruzeiros!! Obrigadinha pelas dicas (:

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Laura, obrigado por deixar seu comentário!
      Realmente os cruzeiros são ótimas opções de viagem e são muito mais seguros que diversas outras opções de viagem. Pode ir sem medo que você vai gostar muito!

      Excluir
    2. Me leva junto, tá? kkkk Meu sonho viajar nessas máquinas (principalmente se tiver uns marinheiros bem bonitinhos hehehe)! Também já assisti Titanic, Poseidon, entre outros filmes "navais" várias vezes, andei de barco pirata, escuna e bote banana em alto mar, balançando em ondas e não senti nada. Quanto à inspeção, deveria ser exigida e acontecer não somente em navios, mas TAMBÉM, em demais locais públicos em TODOS os países,inclusive BRASIL, aí que my heart will go on and ooon... (Taty Star)

      Excluir
    3. Com certeza, pode ir sem medo, Laura. Com a tecnologia atual de previsão do tempo é muito difícil que um navio enfrente condições climáticas adversas que possam oferecer algum risco. Nas condições normais você quase não percebe as oscilações. Inclusive, no teatro temos até apresentações de equilibristas que conseguem realizar os seus espetáculos sem problemas.

      Excluir
    4. Verdade, José! Fico impressionado com isso. Às vezes está balançando um pouco e eles ainda conseguem fazer esses shows de equilibrismo.

      Excluir
  2. eu também sou uma daquelas pessoas que morre de medo de ir em um cruzeiro e imaginar ele afundando, pegando tempestades longas, maremotos, etc, e se para todas essas houverem argumentos contrários, até monstro marinho eu invento. huehueheuheuh Eu realmente fico com muito medo, mas acredito que as pessoas que tem esse tipo de medo - como eu - pensam que desastres naturais são muito mais difíceis de lidar. Mesmo que carro seja menos seguro, nós o controlamos... pode ser que em nosso psicológicos aquilo que é natural está acima de nosso alcance. Só uma suposição. Mas, acho que vou mudar de ideia e ir em um cruzeiro, porque as estatísticas são muito boas. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade! Como nós andamos todos os dias de carro ou ônibus, a gente termina se acostumando e os altos riscos ficam de lado. O fato de se estar no meio do mar e aquele navio, que é um monstro no porto, se tornar apenas um ponto no meio do oceano assusta muita gente! Mas pode ir tranquila que eles são projetados para passar por tempestades absurdamente fortes sem causar danos maiores à estrutura da embarcação. Além do mais os navios de cruzeiros sempre procuram rotas mais calmas, tornando extremamente raro algum incidente em alto mar! Boa viagem!!

      Excluir
    2. Rodrigo, vc está se referindo ao RMS Queen Mary2 da Cunard, né? Ele realmente foi projetado para navegar em águas agitadas e ondas fortes, especialmente do Atlântico Norte, sem precisar parar devido a mau tempo.Porém, estamos em 2018 e não sei se ele ainda navega... (Taty Star)

      Excluir
  3. Eu queria um dia viajar do brasil para a Asia, ja ouvi falar que não tem essa viagem, mas tem como fazer escalas? tem como esses navios evitar essas tempestades também?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ano passado teve um cruzeiro no MSC Lirica saindo do Rio de Janeiro até a China passando por diversos destinos da Europa e Oriente Médio. Mas foi um evento isolado, um cruzeiro de reposicionamento. O que você poderia conseguir é encontrar um cruzeiro em um navio que estiver fazendo volta ao mundo e que ofereça embarque no Brasil (o que é frequente) e continuar a viagem até passar por lá. Os cruzeiros de volta ao mundo normalmente oferecem trechos da viagem para reserva além da volta completa.
      Quanto às tempestades, os navios estão sempre atualizados com as condições do tempo, então se tiver uma tempestade forte à frente, e for preciso, eles desviam a rota.

      Excluir
  4. Gostaria de saber se em caso de tempestade, aquelas ondas gigantescas batendo de um lado ao outro, a agitação, os ventos , não afundam o navio? Por que?Obrigada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Myrna
      Você já viu aquele brinquedo chamado "João Bobo" ou "João Teimoso"? É um brinquedo de plástico com peso embaixo. Por mais que você bata ou até bote de lado ele sempre volta para a posição vertical. Esse é o mesmo princípio que explica porque mesmo nessa situação os navios não viram. Eles têm a parte de baixo feita de aço, muito pesado, e os andares superiores são muito leves, feitos com alumínio e paredes pré fabricadas. Por mais que as ondas empurrem ele vai sempre voltar para a vertical e os estabilizadores fazem o movimento contrário do balanço, tornando o navio muito mais estável :)

      Excluir
    2. Só uma dica: NÃO assista Poseidon antes da sua viagem kkkkk

      Excluir
  5. Há um trecho no artigo falando sobre botes, mas dependendo da avaria e o modo como o navio possa inclinar e tombar de lado, pode não ser possível usá-los (caso do Concórdia)Sim, essa possibilidade também existe, apesar de rara hoje em dia. Mas SE rolar algo na viagem, depois é só sair cantando "entrei de gaiato no navio..." kkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, a inclinação do navio se ele começar a afundar é um problema na hora de baixar os botes. No Concordia o comandante demorou mais de uma hora para soar o alarme de abandonar o navio, quando ele já estava bem inclinado. Certamente daria para evitar muitas daquelas 32 mortes se ele não tivesse negligenciado o acidente

      Excluir
  6. Já fiz 03 cruzeiros e me sinto muito seguro. Nesse último acordei com uma tempestade em alto mar. O navio ficou um pouco inclinado, chequei a rolar da cama mas depois de alguns minutos ele voltou ao normal. Os navios possuem estabilizadores que são acionados nessas situações. Eu pretendo realizar outros.

    ResponderExcluir