WhatsApp 81 998741365

©2020 por RG Cruzeiros e Viagens. Cadastur | CNPJ: 34.184.660/0001-91. Rodrigo Guerra

Como evitar enjoo nos navios de cruzeiro

Atualizado: Jan 29

O tamanho dos navios é fator fundamental para a estabilidade dos mesmos nos mares mais agitados. E diferença de tamanho entre navios grandes e pequenos é absurda: uma embarcação grande pode ser mais de dez vezes maior que uma de pequeno porte.


Ao programar um cruzeiro, uma das principais preocupações dos marinheiros de primeira viagem, independente do tamanho do navio, é a possibilidade de enjoar em alto mar e passar a viagem inteira trancados na cabine vomitando, algo que ninguém deseja para si próprio ou para um acompanhante de viagem. O que é bastante comum de ser dito, e que pode ser aceito, é que quem não enjoa em parques de diversão muito provavelmente não vai enjoar em navios. Isso é bem verdade, já que nos brinquedos existe muito movimento, inclusive muito mais do que nos navios; por isso não é verdade dizer que quem enjoa em parques de diversão vai enjoar em navios.


No ato da compra do cruzeiro já é possível se prevenir: solicitar uma cabine nos decks (andares) mais baixos do navio e na área central, já que essas são as áreas mais estáveis a bordo quando o navio começa a balançar. Se reservar uma "cabine garantida" você não poderá escolher a localização, apenas a categoria desejada. Então evite a Experiência Bella, da MSC, ou a Tarifa Basic, da Costa.


Uma importante medida antes de embarcar é ter a consciência de que o navio (mesmo que isso possa não vir a acontecer) vai, sim, balançar, sendo uma medida preparatória importante para o cérebro não estranhar o movimento do chão em um ambiente fechado. Depois de embarcar aproveite o período que o navio vai permanecer atracado para localizar a cabine, guardar as bagagens e se alimentar moderadamente. Para evitar o enjoo é importante não ficar nem com o estômago vazio nem cheio, portanto alimente-se regularmente e sem excessos. Durante essa primeira refeição aproveite para comer maçã verde e tomar suco de laranja, alimentos que diminuem as chances de enjoar se o navio zarpar e começar a balançar.


A partida do porto é um momento importante para "mostrar" ao seu cérebro que você está em um navio de cruzeiro e que os possíveis balanços já são esperados. Quando chegar a hora de sair do porto e o navio começar a se movimentar, dirija-se para a sua varanda (caso sua cabine tenha uma) ou para os decks externos, longe dos locais onde possa sentir o cheiro da fumaça liberada pela chaminé. Ao chegar nessas áreas ao ar livre fique olhando para o horizonte, isso vai evitar que o seu cérebro fique confuso com os movimentos. Depois de passado um tempo respirando ar puro e não tendo nenhum problema, você já pode aproveitar o navio porque, muito provavelmente, não terá problemas durante a viagem - o que acontece, em média, com mais de 97% dos passageiros.


Se você não passar bem dessa fase e sentir fortes enjoos, procure a recepção para tomar um remédio contra enjoo, disponível em todos os navios, e vá atrás de atividades animadas para não ficar dormindo por causa dos efeitos calmantes. Apesar disso, não pense que, por ter enjoado na partida ou durante um momento com mar mais agitado, que a viagem toda será assim. As condições meteorológicas mudam tanto pela movimentação das tempestades ou massas de ar, que causam a instabilidade, quanto pela navegação do navio, normalmente fazendo rotas que tentam evitar áreas agitadas. Por isso, em poucas horas é possível já sair dessas áreas turbulentas e navegar por mares muito calmos, parando o balanço da embarcação.


Além desse fator da variação constante das condições do mar, outro motivo para não se desesperar caso enjoe no começo da viagem é que o seu cérebro pode precisar de um pouco mais de tempo para se acostumar com o novo movimento do ambiente, ou seja, com aproximadamente um dia de viagem, se as condições de balanço se mantiverem,  o corpo pode se acostumar e o enjoo passar, inclusive deixando de perceber o balanço do navio.


Nos cruzeiros que já fiz pude perceber que a quantidade de pessoas que enjoa é muito pequena e que na grande parte da viagem (se não tiver muito azar e pegar uma semana inteira com condições ruins) o navio fica quase totalmente estável, com uns pequenos balanços ocasionais que te lembram que você está em um navio e não em um resort, cassino ou restaurante em terra - o que não é raro de acontecer em vários momentos, já que algumas pessoas fazem a viagem inteira e não sentem balanço nenhum.


Ao contrário do que muitos pensam, quando o navio passa por áreas mais agitadas e começa a balançar, o clima não é de pânico a bordo. Pelo contrário! As pessoas passam a se divertir andando pelos corredores, até porque todos ali sabem que isso é completamente normal e esperado nesse tipo de viagem e o navio não vai virar ou afundar por causa disso.


Algo muito importante de lembrar é que os navios modernos possuem sistemas de estabilização muito eficazes na quase total eliminação do balanço lateral do navio (de um lado para o outro), fazendo com que o movimento seja apenas para cima e para baixo, melhorando muito o conforto dos passageiros.


Não perca a oportunidade de fazer um cruzeiro por medo de enjoar, esse é um dos melhores modos de viajar e conhecer vários locais sem ficar horas sentado em um carro, ônibus, avião ou trem, programas considerados entediantes por muitas pessoas, além de só desfazer a mala uma vez para todas as cidades que você for conhecer. Ao contrário dos outros meios de transporte, os navios oferecem centenas de opções de entretenimento, tornando-se o destino de viagem para milhões de turistas todos os anos.


Copyright © RG Cruzeiros e Viagens. All rights reserved. Imagens e Textos com direitos reservados. Rodrigo Guerra.

25 visualizações