sábado, 20 de abril de 2019

Temporada 2019/2020: Qual o melhor navio no Brasil para o seu cruzeiro?

A temporada 2018/2019 terminou agora no mês de abril, com uma oferta de mais de meio milhão de leitos. Com isso, já é hora de reservar seu cruzeiro para o fim deste ano e começo do próximo, que já estão disponíveis há uns meses nos sites das companhias de cruzeiros e nas principais agências de viagens.
Muitos de vocês, especialmente os marinheiros de primeira viagem, me perguntam qual navio escolher para embarcar. Por isso vou fazer nesta publicação uma breve descrição de cada um dos sete navios das três companhias que vão estar operando regularmente aqui na temporada 2019/2020 para te ajudar a escolher um. Além disso também incluí a pontuação de cada navio de acordo com o Berlitz Cruising & Cruise Ships 2020, do autor Douglas Ward.  O livro anual, chamado de "A Bíblia dos Cruzeiros", avalia todos os navios de acordo com o navio em si, as acomodações, as refeições, o serviço, o entretenimento e a experiência do cruzeiro.

Aqui estarão apenas os navios de cruzeiro dedicados à temporada  completa com base no Brasil. Fora esses sempre existem outros navios de passagem por aqui que também oferecem opção de embarque em portos brasileiros, mas sem volta. Grande parte deles são navios premium e de luxo, como da Oceania, Seabourn, Ponant e Celebrity.
As companhias serão apresentadas em ordem de acordo com a quantidade de navios dedicados ao mercado brasileiro: MSC, Costa e Pullmantur

MSC Cruzeiros
A italiana MSC é há vários anos a companhia líder no mercado em número de leitos ofertados, sempre trazendo alguns dos seus maiores e mais novos navios. Para a próxima temporada teremos quatro por aqui: MSC Seaview, MSC Fantasia, MSC Poesia e MSC Sinfonia. O MSC Musica também vai marcar presença nos nossos mares, mas terá Buenos Aires (Argentina) como porto-base. Seus navios combinam decoração premium com uma experiência sem muitas formalidades.

Avaliações de acordo com o Berlitz Guide Cruising & Cruise Ships 2020:
Nome do navio: de 0 a 2000 pontos - nota de 0 a 10 (Estrelas de ★ a ★+)

MSC Seaview: 1558 pontos - nota 7,79 (+)
MSC Fantasia: 1532 pontos - nota 7,66 ()
MSC Poesia: 1439 pontos - nota 7,20 ()
MSC Sinfonia: 1363 pontos - nota 6,82 (★+)

MSC Seaview
154.000 toneladas, 4132 hóspedes em ocupação dupla, 1.413 tripulantes

A última temporada contou com um estreante que fez grande sucesso, o MSC Seaview, que chegou por aqui com apenas alguns meses de idade e quebrou recordes, sendo o maior navio da história a fazer cruzeiros no Brasil. Na próxima temporada ele estará de volta, oferecendo os mesmos roteiros: Mini cruzeiros pelo sul e sudeste e viagens de uma semana com destino ao nordeste brasileiro com partidas de Santos e opção de embarque em Salvador.

Esse navio foi detalhadamente avaliado por mim aqui no blog, no YouTube e no Instagram durante o primeiro cruzeiro de uma semana dele aqui no Brasil (dezembro/2018). Para ler as Dicas e Avaliação completas do Seaview é só clicar aqui; para viajar comigo nos vídeos (vlogs) de todo o meu cruzeiro de uma semana nele, o link é este; se você tem dúvidas sobre pacotes de bebidas, não perca este vídeo; e para ver mais fotos como essa aqui do lado é só seguir o @rgcruzeiros no Instagram!

Em resumo:
- É um navio imenso, com inúmeras atividades de entretenimento durante todo o dia; esse é o navio com a melhor infraestrutura entre todos no Brasil. Os shows e festas são imperdíveis;
- As refeições estavam realmente boas e com uma variedade bem interessante;
- O atendimento dos tripulantes que tive contato foi, em quase sua totalidade, muito bom;
- Por ser um navio imenso e com mais de 5000 passageiros, em alguns momentos fica muito cheio, com filas grandes em algumas áreas e os elevadores podem demorar. O número de atendentes em bares pode ser insuficiente durante eventos maiores;
- A decoração é de extremo bom gosto e o conceito de estar sempre próximo ou vendo o mar é sensacional. É um navio extremamente agradável e o mais fotogênico que já viajei.

MSC Fantasia
137.000 toneladas, 3.274 hóspedes em ocupação dupla, 1.370 tripulantes

Imagem: Reprodução/ MSC Cruzeiros
O primeiro navio da classe que leva o seu nome já é bem conhecido pelos brasileiros. Os irmãos Splendida e Preziosa também já estiveram por aqui várias vezes, tendo uma aceitação muito boa entre os cruzeiristas.

Infelizmente eu nunca fiz um cruzeiro nessa classe, que até 2017 era a maior da companhia italiana, mas conversando com muitos de vocês eu posso passar os principais pontos de como é um cruzeiro nessa classe e nesse navio.

O Fantasia tem uma capacidade de passageiros menor que o MSC Preziosa, o que resulta em uma sensação de espaço maior que no irmão mais novo, que recebeu mais cabines para uma mesma quantidade de áreas públicas. Apesar de contar com menos atrações que o Seaview, ele tem muito a oferecer também. A vida a bordo é agitada com atividades para todas as idades, contando com amplas áreas de piscinas e um enorme atrium central.
A quantidade de passageiros por tripulante nele é menor que no Seaview, o que resulta em um atendimento mais eficiente. Além disso são necessários apenas dois turnos de jantar, em vez dos três no Seaview.

Apesar de não ser um dos maiores da companhia, ele ainda é o segundo maior do Brasil, então o clima e agito dos grandes navios está sempre no ar. É super indicado para grupos de jovens, casais com crianças e bebês e pessoas que procuram agito na sua viagem com um ambiente luxuoso a bordo, sem abrir mão de usar sandálias e roupas confortáveis durante o dia. Ele e o Seaview serão os únicos a oferecer o Yacht Club, uma área reservada que inclui mimos como mordomo e restaurante e piscina privativos. Para saber mais sobre o YC, clique aqui.

Pela segunda temporada consecutiva ele fará embarques no porto do Rio de Janeiro, oferecendo cruzeiros para o nordeste e o Rio da Prata, parando em Buenos Aires (Argentina) e Punta del Este (Uruguai). Inclusive há roteiros de duas semanas com todos esses destinos em uma só viagem.

MSC Poesia
92.600 toneladas, 2.550 hóspedes em ocupação dupla, 1.039 tripulantes

Mais uma vez o Poesia estará de volta com seus cruzeiros de 7 noites partindo de Santos para a Argentina e o Uruguai. Por ser menor que o Fantasia ele tem a vantagem de conseguir atracar na capital uruguaia, Montevideu, então quem quiser conhecer essa cidade vai ter que tirar o irmão maior da lista.

Ainda não embarquei no Poesia, mas já viajei no MSC Orchestra, um irmão gêmeo, e no MSC Magnifica, o mais novo da classe Musica e com várias adições que o aproximaram da classe Fantasia.

No Orchestra eu fui em dezembro de 2010 (um mini cruzeiro pelo sudeste) e no Magnifica em fevereiro de 2014 (uma semana com escala em Punta del Este e Montevideu e uma pernoite em Buenos Aires).

Mesmo não sendo uns dos maiores navios da MSC, os integrantes dessa classe são bem grandes, porém menos cheios. É mais difícil encontrar filas muito grandes neles.

Uma coisa que eu percebi claramente foi que as refeições no MSC Seaview foram muito melhores que nos outros dois da classe Musica. Pode ser que tenham melhorado nos últimos cinco anos, mas a minha impressão não foi boa nesse ponto.
As opções de entretenimento ainda são bem diversas e os lounges e bares são muito espaçosos, permitindo que a equipe de entretenimento mantenha os passageiros animados durante o cruzeiro. A área para atividades ao ar livre junto da piscina é muito grande no Poesia, então sempre tem eventos acontecendo por lá. Por ter uma boa taxa passageiros/tripulantes, o atendimento é melhor nele que nos irmãos maiores.

Ele é igualmente indicado para todos os públicos, existem atividades para todas as idades. Tanto quem quer dançar na boate enquanto toma um drink quanto quem quer fumar um charuto cubano em uma área calma e reservada vai gostar desse navio.

MSC Sinfonia
65.500 toneladas, 1.960 hóspedes em ocupação dupla, 721 tripulantes

Imagem: Reprodução/ MSC Cruzeiros
O MSC Sinfonia será uma opção muito interessante para os sulistas, uma vez que ele vai ser o único navio a oferecer embarques no porto de Itajaí (SC). Ele faz parte da classe Lirica, a menor e mais antiga da companhia.

Apesar disso, todos os 4 navios da classe passaram por uma grande reforma, o Programa Renaissance, que custou, no total, 200 milhões de euros. Em um intervalo de um ano, desde quando o primeiro entrou em doca seca (2014) até o último sair (2015), os navios foram cortados ao meio e um bloco com novas cabines e áreas públicas foi adicionado em cada um. As demais áreas dos navios passaram por reformas e modernizações. Com isso eles passaram de 251 metros de comprimento para 275, ganharam 5 mil toneladas e 193 novas cabines. 

O Lirica é um navio que se tornou mais atrativo para crianças após a reforma, já que dentre as principais novidades, o novo parque aquático voltado para elas se destaca.
Ele é o menor navio da empresa, então o clima a bordo é menos agitado e a lista de atividades diárias é menor.
A vantagem é que os ambientes são mais intimistas e a tripulação consegue organizar boas atividades de entretenimento durante o dia.

Mesmo sendo o mais antigo dos MSCs no Brasil, não se preocupe com isso, ele está em excelente estado de manutenção e oferece confortáveis cabines e áreas públicas. Outra grande vantagem de um navio menor é que todos os processos de embarque e desembarque são muito mais rápidos, assim como o atendimento.

Os cruzeiros no Sinfonia terão uma semana de duração e embarques em Itajaí, Montevideu, Buenos Aires e Santos.

Costa Cruzeiros
A mais tradicional companhia de cruzeiros italiana, com quase 100 anos operando navios de passageiros, estará de volta com os grandes Costa Pacifica e Costa Fascinosa, disponibilizando cruzeiros com embarque no Rio de Janeiro e em Santos. Um clima familiar, decoração extravagante, boas opções de lazer e refeições fazem parte dos navios Costa.

Avaliações de acordo com o Berlitz Guide Cruising & Cruise Ships 2020:
Nome do navio: de 0 a 2000 pontos - nota de 0 a 10 (Estrelas de ★ a 

Costa Fascinosa: 1266 pontos - nota 6,33 (★+)
Costa Pacifica: 1262 pontos - nota 6,31 (★+)

Costa Fascinosa
113.300 toneladas, 3.016 hóspedes em ocupação dupla, 1.110 tripulantes


Mais uma vez de volta ao Brasil, o Costa Fascinosa oferecerá cruzeiros partindo do porto de Santos. As viagens serão mini cruzeiros para o sul e sudeste e de uma semana até o Rio da Prata ou nordeste brasileiro.

Esse é outro navio que passou pelo "Dicas e Avaliação" aqui no blog, em dezembro de 2016.
Ele é um dos mais novos e maiores da companhia, tendo entrado em operação em 2012. Para saber tudo sobre ele, clique aqui.

O entretenimento é um ponto positivo do Fascinosa, com festas e atividades durante todo o dia. Os shows italianos são os mais italianos que você verá em alto mar.

As refeições foram um ponto positivo desse navio. Tanto no Buffet quanto nos restaurantes à la carte a variedade e qualidade das refeições foram boas, principalmente as massas.

Por ser um navio de grande porte, com até 3800 passageiros, ele também tem o problema de outros intermediários desse tamanho: em alguns momentos algumas áreas ficam bastante cheias, mas isso é algo de se esperar.

O atendimento dos tripulantes também foi um ponto positivo. Vale conferir a avaliação completa aqui no blog para saber de todos os detalhes da minha experiência no Costa Fascinosa.

Costa Pacifica
114.500 toneladas, 3.016 hóspedes em ocupação dupla, 1.110 tripulantes


Imagem: Reprodução/ Costa
O Navio da Música, chamado assim pelo tema a bordo, é praticamente gêmeo do Costa Fascinosa. Fora a decoração, a diferença mais visível é a piscina da popa, que é fechada com um teto de vidro retrátil no Pacifica e aberta no Fascinosa.

Por serem da mesma classe, as dicas e avaliação do Fascinosa também valem para ele. A diferença para escolher um ou outro vão ser os roteiros.

Em vez de partir de Santos, o Costa Pacifica chamará o Rio de Janeiro de porto base, oferecendo também opção de embarque em Buenos Aires. Os roteiros serão todos de 7 a 8 noites com destino ao Rio da Prata e três mini cruzeiros de 4 noites com embarque e desembarque em Buenos Aires e escalas em Punta del Este e Montevideu.

Ah, uma coisa que tem no Costa Pacifica mas que não tem no Fascinosa é um estúdio de gravação profissional a bordo. Por ser o navio da música, ele é o único a oferecer essa atração aos passageiros.

Pullmantur Cruzeiros
A espanhola Pullmantur, parte do grupo Royal Caribbean, oferece cruzeiros informais em navios menores e mais antigos, herdados da Royal Caribbean International e da Celebrity, marca premium da empresa. Após a Royal encerrar suas operações no Brasil, o Sovereign continua navegando por aqui, mas fretado pela operadora CVC, que mantém a proposta original da companhia. Essa, sem dúvidas, é a empresa que mais se diferencia das outras por aqui. As duas italianas, Costa e MSC, são muito parecidas.

Avaliação de acordo com o Berlitz Guide Cruising & Cruise Ships 2020:
Nome do navio: de 0 a 2000 pontos - nota de 0 a 10 (Estrelas de ★ a ★+)

Sovereign: 1046 pontos - nota 5,23 (+)

Sovereign
73.600 toneladas, 2.310 hóspedes em ocupação dupla, 820 tripulantes

O Sovereign está no Brasil para provar que idade e infraestrutura imensa não são tudo em um navio. Com seus 30 anos, esse é um dos mais queridos no nosso país, devido ao trabalho dos tripulantes. Ele é um navio super informal, com decoração nem luxuosa nem extravagante, como nos maiores navios da MSC e Costa, respectivamente.

Como em todo navio, há sempre relatos positivos e negativos, sendo eles bem extremos no Sovereign. As mensagens que recebo sobre ele são quase sempre ou um "eu amei" ou "eu odiei". Ainda preciso viajar nele para conhecer melhor. Mas no geral os relatos são positivos em relação às comidas e, em especial, atendimento da tripulação e o entretenimento.

Ele é o único navio all-inclusive no Brasil, não precisando comprar pacotes de bebidas ou pagar separadamente por elas, o que elimina aquelas milhares de dúvidas na hora de comprar e usar um pacote. É só chegar em qualquer bar e pedir o que quiser.

Os roteiros do Sovereign são voltados para as preferências dos grupos de jovens: os mini cruzeiros. Os portos de embarque durante a temporada serão Recife, Salvador,  Rio de Janeiro e Santos. Os principais destinos serão Búzios e Balneário Camboriú.

Copyrigh© RG Cruzeiros. All rights reserved. Imagens e Textos com direitos reservados. Rodrigo Guerra.

quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

Cruzeiro no MSC Seaview: Dicas e Avaliação

Quer ver mais fotos? Siga o @rgcruzeiros no Instagram!
Aqui é onde eu escrevo todas as dicas e a minha opinião sobre o cruzeiro. Então vem muito texto pela frente, mas garanto que tem muitas informações que vão te ajudar demais! Se quiser ver fotos e vídeos, siga o RG Cruzeiros no Instagram e no YouTube. No fim da publicação tem os três vídeos que fiz a bordo, não deixem de assistir. Agora vamos começar!
Eu me lembro bem quando vi, em 2014, as primeiras imagens dos projetos Vista (atual Meraviglia) e Seasisde, da MSC Cruzeiros.
O navio que mais me chamou a atenção foi o Seaside, com um design muito diferente daquilo que estávamos acostumados a ver. Ele foi também o que mais dividiu a opinião das pessoas na época, alguns dizendo que era horrível, que os navios tinham de fato virado prédios flutuantes... E outros, como eu, que acharam incrível!
O MSC Seaside ficou pronto em 2017, seguiu para Miami, seu porto-base, e a MSC anunciou que o Seaview, gêmeo dele e ainda em construção, viria para o Brasil no mesmo ano em que ia ficar pronto: 2018!
Isso me deixou super animado e eu percebi uma movimentação muito grande em volta da vinda desse navio. A quantidade de pessoas vindo me pedir informações sobre ele deixou claro que aquele navio seria um sucesso. Diante disso, n
o dia 10 de janeiro de 2018, algumas horas antes de embarcar para o meu intercâmbio, eu entrei no site da MSC e reservei o primeiro cruzeiro de uma semana do Seaview aqui no Brasil, iniciando uma contagem regressiva de 339 dias. 
Com o cruzeiro reservado para dezembro, eu anunciei no Instagram e a animação foi geral!
Porém os meses passaram, a data do embarque estava chegando e eu não estava tão animado quanto deveria para o cruzeiro em si. O motivo disso é que nos outros dois cruzeiros que fiz com a MSC, no Orchestra (2010) e no Magnifica (2014), a comida era ''ok'' (melhor no Magnifica), a tripulação não muito simpática e o entretenimento (fora os shows) fraco, sem muitas atividades interessantes durante o dia. Por isso eu estava com a sensação: ''MSC de novo?" Isso principalmente depois de ter gostado mais do Costa Fascinosa, então eu já estava certo de que o próximo cruzeiro seria um Costa, não com a MSC. 
Mas ao mesmo tempo eu vi esse navio como algo super importante para o meu trabalho, então estava bem animado por poder apresentar esse navio que vocês tanto me pediam.
O dia chegou e eu parti para mais um cruzeiro MSC. Quem diria... Será que as experiências anteriores se repetiram nesse navio? É o que vou contar para vocês:

Embarque
Ao chegar no terminal marítimo Giusfredo Santini, em Santos, o motorista do Uber nos deixou na porta da área para entregar as malas e depois seguimos até a área fechada do terminal. Lá as salas são divididas por cores, tendo a sua indicada no adesivo que vão colar no seu voucher.
Chegamos tarde. Só entramos no navio às 15h, enquanto alguns passageiros já estavam a bordo desde antes do meio dia. Eu e meu irmão recebemos a senha 22 e meus pais, que têm embarque prioritário, seguiram na frente. O processo foi bem organizado: quando chamaram nosso número seguimos para uma fila com a identidade e o voucher em mãos e recebemos o cartão do cruzeiro no balcão. Para gestantes é preciso apresentar também autorização médica para realizar o cruzeiro indicando o tempo de gestação, que deve ser de no máximo 23 semanas até o fim do cruzeiro.
Depois do balcão seguimos para a fila dos ônibus. O Seaview é tão grande que não cabe na frente do terminal, então os ônibus fazem esse transporte até ele.
Com menos de uma hora desde quando chegamos ao terminal já estávamos junto do navio - e não tinha câmera que desse conta do tamanho dele. Impressionante! Foi incrível chegar junto daquele navio que eu acompanhei desde que ele era apenas um projeto.

Primeiro Dia: A primeira impressão não foi a que ficou

Entramos no MSC Seaview e para onde a gente olhava saia um "uau!". A decoração do navio e o conceito de estar sempre com Vista para o Mar (Sea View) são sensacionais, ele torna-se extremamente agradável com a grande quantidade de luz natural e a alta proporção de áreas abertas. E aquele atrium decorado para o natal, com quatro decks e seis escadas cravejadas em cristais Swarovski? Um espetáculo!
Seguimos para as nossas cabines, duas com varanda no deck 9, e também gostamos do que vimos. O espaço muito bem utilizado, apesar do guarda-roupas pequeno, varanda maior que a média e um banheiro bem pequeno, porém bonito e funcional. Já gostei que eles colocaram, além das tomadas com padrão europeu (com dois pinos, igual ao brasileiro) e americano, também tomadas USB junto das camas e na penteadeira. Na cabine tem as duas opções: 110 e 220 volts. Para completar, ainda tivemos a felicidade de ter a super simpática e atenciosa Silvana como nossa camareira nas duas cabines!
Secador, ferro e chapinha? 
É proibido levar equipamentos que servem para gerar calor. Secador de cabelo e ferro de passar roupas nem tente, eles sempre são confiscados no raio-x. Mas dentro da penteadeira tem um secador de cabelo! Já a chapinha eles quase sempre deixam entrar, mas não se preocupe porque qualquer coisa que não permitirem a bordo eles vão só guardar e te devolvem no fim do cruzeiro.
O cartão do cruzeiro, que recebemos no terminal, é usado para abrir a porta por NFC, então é só aproximá-lo do sensor na maçaneta. Com isso não tem aquela preocupação de desmagnetização. Existe também uma pulseira que funciona da mesma forma que o cartão a bordo do navio - já para descer em terra precisa do cartão. Para as crianças essa pulseira permite rastrear em tempo real onde elas estão dentro do navio. Nas experiências que não incluem uma é possível comprar a sua na recepção por cinco dólares.
Experiência Bella  
Nesse cruzeiro reservamos duas cabines internas na experiência mais barata. Ela tem as chamadas Cabines Garantidas: a companhia garante que a gente vai ficar em uma categoria igual ou, caso ela venda aquela completamente, superior à que reservamos. Como reservamos com muita antecedência, logo tivemos um upgrade para duas cabines com varanda sem pagar nada mais por isso!
Depois de sair da cabine fomos para o restaurante Buffet almoçar. Já era tarde e, desavisados, fomos para o Ocean Point Restaurant & Buffet, no deck 16. A gente não fez o cruzeiro se não se perder pelo navio, né? Nos perdemos... Mas a culpa é do projeto do navio mesmo! Se você subir pelo meio ou frente do navio até o deck 16 não tem como caminhar até o buffet porque os restaurantes de especialidades não têm saída. Então tem que descer um deck, andar até a popa e depois subir um. Bem estranho. Minha única reclamação a respeito do projeto desse navio.
Chegando lá no Ocean Point encontramos basicamente pizza, hambúrguer, batata frita e aquele mesmo macarrão com molho de tomate dos outros cruzeiros MSC. Nessa hora eu disse: eu não vou aguentar isso de novo por uma semana...
Só quando cheguei na cabine e li o programa diário - que vocês não podem, de forma alguma, deixar de ler - foi que eu vi: o restaurante do deck 16, junto da piscina, é o que eles chamam de Almoço Rápido. O do deck 8, o Marketplace, é bem maior e oferece refeições completas. Eu passei lá mais tarde e não estava muito diferente porque já estavam finalizando, mas posso confirmar que a diferença é grande! A partir daí eu passei a ir no do deck 16 só quando queria comer uma pizza mesmo, no outro eu tomei café da manhã e almocei todos os dias. Muito bom!
Às 17h veio o anúncio de que o exercício de emergência geral ia começar em 30 minutos, obrigatório, como sempre, para todos os passageiros. Diferente dos outros navios italianos, no Seaview a gente não tem que levar os coletes salva-vidas para os pontos de encontro, então não se assustem quando chegarem na cabine e não encontrarem os coletes no guarda-roupas. Os lugares deles agora são nos próprios pontos de encontro. O alarme de emergência geral soou e seguimos para o Cassino. Eu nunca vi um ponto de encontro tão cheio como aquele. Eu já  estava traumatizado com o almoço e ali, sentado no chão do cassino super lotado, já estava preocupado com o que seria aquela viagem. Ouvimos um anúncio rápido, assistimos a um vídeo e fomos liberados.
Os elevadores ''inteligentes'' levavam uma eternidade para chegar e dar conta de tanta gente voltando do exercício de emergência. E mesmo depois do primeiro dia eles continuaram sendo demorados. Interessante dizer que você tem que chamar o elevador por fora; não existem botões para os andares dentro deles. Tem duas telas em cada hall: é só tocar no andar desejado e ele vai te dizer qual o elevador que você deve ir. No fim da publicação tem os três vídeos que fiz a bordo e já no primeiro eu  mostro como funcionam.
Pagamentos a Bordo
Existem duas opções de pagamento a bordo: cartão de crédito internacional ou depósito em dinheiro. Se escolher fazer o depósito, no fim do cruzeiro você deverá completar o que faltou ou pegar de volta o que não usou. Para o cartão, basta ir até uma das máquinas de ativação espalhadas pelo navio. Lá você passa o seu cartão do cruzeiro e o cartão de crédito internacional e poderá escolher as pessoas das quais você pagará os gastos com o seu cartão. No último dia vai estar a conta na sua porta, só precisando conferir e assinar. Todos os gastos podem ser acompanhados pela televisão da cabine.
As malas despachadas no terminal passam pelo raio-x e são deixadas na porta da sua cabine. É importante levar uma sacola de mão com uma muda de roupa, remédios e objetos pessoais porque a mala pode demorar para chegar. Esse cruzeiro, inclusive, foi a vez que mais demorou a chegar, já estávamos em navegação. A sacola de mão é ainda mais importante na hora do desembarque. Mas isso é assunto para depois.

Mais tarde, depois de tomar um delicioso café e um Gelato Venchi - para dar uma melhorada no dia - e arrumar as bagagens na cabine, seguimos para o ótimo espetáculo Eclipse, no teatro, e logo em seguida para o jantar no restaurante Silver Dolphin, no deck 6. Como o navio tem capacidade para mais de 5 mil passageiros, foi preciso dividir os jantares em três turnos, em vez de dois. Os horários são 19h, 21h e 22h45 para os jantares no Silver Dolphin e Golden Sand. A fila para entrar estava enorme, algo que me deixou ainda mais assustado, mas assim que a entrada foi liberada, pontualmente às 22h45, os garçons nos acompanharam até as mesas. Isso fez o primeiro dia demorar um pouco mais, mas a partir do segundo todos já sabiam onde ficavam as suas mesas, então era sempre bem rápido quando abria as portas. Você vai ficar sabendo qual o seu restaurante quando pegar o cartão no terminal. Nele diz também o horário.
Nesse primeiro jantar foi um pouco demorado para o primeiro prato chegar mas depois disso os outros vieram em sequência. Fiquei feliz porque a comida, fora o risoto, estava realmente boa!  Filmei todos os pratos e incluí no primeiro vídeo da playlist.
Depois de sairmos satisfeitos da experiência no restaurante, fomos para a super festa Flower Glory Party (com tema dos dos anos 70) no atrium com uma equipe de animação incrível! Daí eu já comecei a mudar um pouco aquela impressão inicial e a desconstruir a imagem que eu tinha dos navios da MSC.

Segundo dia em diante: agora sim o cruzeiro começou!
O primeiro dia foi um susto. Lembra que eu disse estar com expectativas baixas? Até antes do primeiro jantar a experiência conseguiu ser mais baixa do que as minhas expectativas. Eu demorei para pegar a câmera e começar a filmar porque eu nem sabia o que dizer sobre aquilo. O bom de estar lendo isso agora é que você já vai embarcar sabendo que o primeiro dia é, sim, um pouco caótico, parecendo que tem 10 mil pessoas perdidas dentro do navio. Mas saiba que tudo se ajusta logo e faça como eu: aproveite cada momento e não deixe uma coisa ruim de ontem estragar a sua experiência de hoje. A partir do segundo dia eu esqueci o do embarque e aproveitei ao máximo aquele que... Quem diria? Foi o melhor cruzeiro que eu já fiz!
Acordei no segundo dia com as esperanças renovadas depois da noite anterior. Já comecei curtindo as atividades do dia.
Como eu sempre digo: Leiam os jornais diários que são colocados todos os dias pelos seus camareiros na cabine. Aquilo vai te mostrar o que tem para fazer no navio. Se você tomar o café da manhã e voltar para a cabine vai ficar um silêncio lá que você vai pensar que não tem nada acontecendo no navio. Para ter uma ideia: no segundo dia de navegação foram 44 atividades marcadas!
Um dos shows no teatro Odeon
Para ajudar a nossa vida, a MSC criou o aplicativo MSC For Me. Você vai viajar no Seaside, Seaview, Meraviglia ou Belissima? Baixe agora no seu iPhone ou Android! Ele funciona da seguinte forma: ao entrar no navio você conecta com o wi-fi, mesmo sem ter comprado pacote de internet, e pode usar o aplicativo livremente. Nele vai ter o mapa do navio, mostrando até a sua localização em tempo real pelos decks, todas as atividades que estão acontecendo no dia, informações sobre os destinos, entre outros. As duas funções que eu mais usei foram a agenda pessoal e a reserva de shows. Na agenda você salva todas as atividades do dia que quiser participar, então fica super fácil ver o horário e local de cada uma. Os shows acontecem em três horários: 20h, 21h30 e 22h45.
Reserva dos Shows
Para garantir um lugar, os shows precisam ser reservados. Com um dia de antecedência você já pode entrar no aplicativo e reservar seus lugares, mas corre porque eles lotam rápido! De um celular você consegue reservar o horário que preferir para todos que estão viajando com você. Ao chegar na porta do teatro - com mais de cinco minutos de antecedência - é só mostrar o seu cartão, um tripulante vai passar o leitor de código de barras e você pode entrar. Se não conseguir reservar, fique perto da porta do teatro aguardando. Faltando cinco minutos para começar o show eles liberam para quem não reservou. Observe que é proibido tirar fotos com flash e, devido aos direitos autorais,  filmar os shows.
Só faltou uma coisa essencial nesse aplicativo: um chat para a gente se comunicar com outros passageiros a bordo. Fez falta demais, principalmente com uma internet tão cara. Eu comprei o pacote com 2.5GB por 193,62 reais. Com ele é possível conectar até dois dispositivos. O de 5 GB, que permite 4 aparelhos simultaneamente, custa 248,94 reais. Pelo menos a velocidade era boa e funcionava no navio todo (são 660 pontos de acesso). Eu percebi que ficar desativando o pacote pelo site quando não estava usando, como eles recomendam, era desvantagem porque ao reconectar ele gastava muitos dados. O melhor a fazer é ficar com o plano ativado durante o dia e desativar o  backup do iCloud, atualizações em segundo plano e atualizações automáticas.
Para quem vai fazer o roteiro até o nordeste do Brasil é importante lembrar que não tem horário de verão em Ilhéus e em Salvador, então preste atenção aos anúncios, jornais diários e avisos nas telas espalhadas pelo navio sobre a mudança de horário. Antes de dormir volte uma hora para o celular não despertar no horário errado. Falando em celular: coloque despertador. Especialmente quem vai ficar em uma cabine interna. Como não entra luz você acaba acordando e dormindo várias vezes achando que ainda está de noite.
Pacotes de Bebidas
Existem algumas opções de pacotes alcoólicos e não alcoólicos para consumo nos bares e restaurantes e eu recebo muitas mensagens perguntando se vale ou não comprar. A minha resposta é sempre a mesma: depende. Se o que você consome de bebidas não compensar o pacote, que, para os alcoólicos, estava de 770 a 1500 reais por pessoa nesse cruzeiro de uma semana, pague por cada bebida separadamente. Vai do consumo de cada um. Para ajudar eu fiz um cardápio com os preços das principais bebidas a bordo. Clique aqui.
Vários passageiros estavam reclamando dos pacotes de bebidas porque a descrição deles não estava condizendo com a realidade a bordo. A MSC fez uma mudança nos nomes e descrição de todos eles: o Deluxe, por exemplo, passou a ser o Premium. E ainda apareceu o Premium Plus. O Easy dizia incluir todas as bebidas até cinco dólares, inclusive "coquetéis: caipirinha, caipirosca, [...]" mas na verdade elas custam mais que isso a bordo, então não estão inclusas. No fim o que contou foi o preço dos cardápios. Faltou alinhar as descrições no site com os preços praticados a bordo, o que gerou insatisfação principalmente em quem comprou os pacotes mais simples.

Entretenimento
O enorme atrium é muito usado para festas!
O entretenimento... Ah o entretenimento a bordo!! Esse ponto foi incrível no cruzeiro! Era o máximo pegar o celular todas as noites para marcar tudo o que eu queria fazer no dia seguinte. A vida noturna nele é muito boa e o melhor é que eles pensaram nisso também na programação da manhã. As festas entravam pela madrugada, até umas 2h da manhã, então as atividades que atraem as pessoas da noite só começavam mais tarde, lá para as 10 da manhã. Antes disso eram aulas de alongamento, aeróbica fitness, aerostretching, power step... O jogo da animação "Bom dia Seaview" começava às 10:30, então a gente podia descansar mais sem culpa. Pela manhã, mais tarde, ainda tinha torneio de ping-pong, de totó (ou pimbolim), jogo de acertar o alvo (eu ganhei um chaveiro nesse :D), competição da cerveja, e muitas atividades super legais para adultos.
Além disso teve, nas boates, lounges e áreas abertas: tributo aos Beatles, à banda U2, a Raul Seixas, balada sertaneja, rock clássico, festa Rock N'Roll, boate com funk e a interessante boate silenciosa, onde todos ficam dançando com fones de ouvido! Não tem música tocando no ambiente; são três estilos musicais, é só escolher no próprio fone e dançar.
Se você gosta de dançar, esse navio é perfeito. Teve uma noite que eu passei cinco horas dançando! Era acabando uma festa e eu indo pra outra. E é super legal porque nas festas maiores tem o pessoal da equipe de animação ensinando a coreografia.
Pensa que acabou? Ainda tivemos a Flower Glory Party, aquela festa dos anos 60 e 70; Space Party; Circo Tropical; Festa do Mar; Festa Tropical; Late Night Set, com um Dj; Hits do Momento; Dj Music Disco; a Snow Party (nevou no nordeste!); o melhor da música italiana; bossa nova; e a festa que fechou com chave de ouro, a Carnaval Party!
Além disso tudo ainda tem diversas aulas de dança a bordo: samba, sertanejo, salsa, cha cha cha, bolero, soltinho, xote, tarantela, mambo, country, cumbia, forró, merengue, tango e disco.
Roupas para as Festas
São muitas festas a bordo, mas não se preocupe muito com roupas. O básico para levar são: roupa branca para a festa do branco e roupa formal para as noites de gala - são duas nos cruzeiros de uma semana e uma nos mini cruzeiros. Nelas tem um show e um jantar especiais com uma foto com o comandante. Se quiser, leve também uma roupa bem estampada para a festa tropical e a Flower Glory Party. Na festa do carnaval eles deram máscaras e chapéus de festa.
O entretenimento desse navio destruiu a imagem negativa que eu tinha dos navios da MSC. Para completar ainda tinha bingo, competições dos tripulantes, demonstração de chocolates, promoções em produtos, desfiles, concurso do Mister e Miss Seaview, roda de samba, seja uma estrela do karaokê (cantei Alcione), atividades fitness, demonstrações culinárias, atividades para crianças nos clubes infantojuvenis e o MasterChef At Sea! Ele é uma parceria da MSC com o MasterChef, então os passageiros se inscrevem e podem participar ao vivo no teatro. Os chefs do navio eram os jurados e os vencedores concorrem a uma vaga no programa na televisão. Além dele, o MSC Factor, um X Factor com os passageiros, mostrou grandes talentos anônimos e todos nos emocionamos no MSC Crew's Got Talent, no qual tripulantes podem se inscrever para demonstrar seus talentos. Uma camareira deu um verdadeiro show! Está gravado no terceiro vídeo no fim da publicação.
Os novos shows que estão tendo no teatro são: Eclipse (show musical dos Pink Floyd), Bizarre (um show acrobático francês), Simply the Best (um tributo a Tina Turner), Ilusión (flamenco), Emozioni (show italiano), Animalia (inspirado em Cats) e Fantasia (show de mágica) + espetáculo de despedida da MSC. Como sou apaixonado pelas músicas dos grandes nomes italianos, o Emozioni foi o meu preferido!
Todo esse entretenimento que eu falei é incluso, não precisa pagar. Na Silent Disco você só tem que assinar um termo de responsabilidade para devolver o fone até o fim da festa (ou pagar 50 dólares). Os clubes para crianças e adolescentes funcionam das 09h às 23h e têm a supervisão de monitores, que garantem diversas atividades para eles durante o dia. Em dias de navegação os horários foram das 09h30 - 12h, 15h - 18h e das 20h - 23h. As instalações para crianças contam com vídeo games de última geração, brinquedos Lego e Chicco, desafios pelo navio, mascotes, mesa interativa e áreas exclusivas para menores de idade.
Tirolesa e Toboáguas
Existem quatro toboáguas e duas tirolesas no navio. Para ir em qualquer um é preciso assinar um termo de responsabilidade, inclusive os maiores de idade, e colocar uma pulseira no braço, que serve para todo o cruzeiro. Os toboáguas são grátis, mas as tirolesas custam desnecessários 12 dólares por vez.
Mais um assunto que vocês perguntam bastante é em relação ao Fun Pass. Como funciona, se vale a pena... Ele é basicamente como colocar créditos no cartão, mas ao fazer isso você ganhará créditos bônus para usar a bordo. A vantagem é que ele pode ser usado por todos da mesma cabine. No site da MSC você pode pagar 345,74 reais e ganhar 80 dólares de bônus. O simulador de Fórmula 1 custa 10 dólares; o cinema interativo, 10 dólares para adultos e 8 para crianças; o boliche, 25 dólares para 30 minutos de jogo, 45 dólares para uma hora e 2 dólares para alugar os sapatos; e a tirolesa custa 12 dólares. Além dessas atrações o Fun Pass também pode ser usado nos jogos de fliperama (exceto nas máquinas de caça ao tesouro).
O Forest Aquaventure Park e a quadra poliesportiva
Existem também 4 piscinas, com horário de funcionamento das 07h até, dependendo do dia, às 20, 21 ou 22h. São elas: Sunset Beach Pool (Deck 7), Panorama Pool (Deck 16), Jungle Pool (Deck 18) e MSC Yacht Club Pool (Deck 19), essa exclusiva para os hóspedes do Yacht Club.
Elas são mais fundas que o normal em um navio, 1,90 metros, o que acaba tornando as partes do meio vazias. Todos ficam se segurando nas bordas ou nadando de um lado para o outro, o que diminui a quantidade de pessoas que podem usá-las ao mesmo tempo. Decisão um pouco estranha.

Na área da Panorama Pool e no Atrium são os locais onde acontecem grande parte das grandes festas, certamente os lugares mais divertidos do navio.

Saindo da chaminé, em cima do parque aquático Forest Aquaventure, estão os quatro toboáguas. Subindo as escadas e virando à esquerda estão os dois com uma parte transparente (que na verdade não dá nada de dentro pra fora). São bem legais!! Foram os que eu consegui ir. Do outro lado está o toboágua interativo que desce com uma prancha, mas estava no horário de fechar, então eu disse: depois eu volto. E advinha? Não deu tempo de voltar! A agenda é cheia o dia todo...
O último toboágua é um marrom, o menor de todos. Esse é mais voltado para as crianças que estão no parque aquático logo abaixo.

Ainda falando de preços, uma dúvida frequente é sobre as lojas a bordo. Quando o navio atinge mares internacionais as lojas e o cassino abrem, para a nossa diversão. Por não estar em um país, todas as lojas são duty free, sem impostos. Mas compensa? O problema é realmente o dólar alto: quando fui no MSC Orchestra, em 2010, o dólar estava R$1,70, então tudo estava com preços muito bons para nós. Já agora, no Seaview, com o dólar acima dos 4 reais, não tem vantagem em quase tudo, mas para algumas coisas ainda vale.
Um perfume Bulgari Man Extreme, de 60ml, saiu por US$76,50 com o desconto de 10% do Voyagers Club, pouco mais de 300 reais, quase o mesmo preço cobrado em terra. Já os kits com 5 perfumes Armani e Dior que meus pais compraram no Orchestra, oito anos antes, saíram muito mais baratos que o valor no Brasil quando convertidos com aquela cotação!
A miniatura oficial do navio está custando US$39,90; o boné que eu postei no Stories do Instagram está por US$13,90; e a camisa "MSC Seaview Inauguration 2018", que esqueci o preço no vídeo, custa US$18,90. Esses valores são antes do desconto do clube.
Uma dica legal é que no cassino eles vendem os baralhos usados por 3 dólares (ou até menos em outros navios) e são novíssimos porque as cartas não podem ter marcas durante os jogos. É só pedir no caixa e escolher a cor que preferir.

O MSC Aurea Spa, um autêntico spa bailanês, é o maior já visto em um navio da companhia. Existem áreas termais, uma academia de 870 metros quadrados, tratamentos corporais, massagens, duas salas de talassoterapia, manicure, pedicure, cabeleireiro, maquiadores, barbearia, vinoterapia e muitas outras opções. Para contrastar com a sauna, lá também existe uma sala chamada Snow Room, onde tem neve e temperaturas baixíssimas. Pena que não consegui tempo sequer para entrar lá...

Refeições
Café da manhã no Marketplace
Existem dez restaurantes a bordo:

Inclusos no valor do cruzeiro:
Golden Sand - Deck 5: À la carte
Silver Dolphin - Deck 6: À la carte
Marketplace Restaurant & Buffet - Deck 8: Buffet completo
Ocean Point Restaurant & Buffet - Deck 16: Buffet com "almoço rápido"
Top Sail Lounge - Decks 16 e 18: Exclusivo do MSC Yacht Club

Pagos:
Ocean Cay Restaurant by Ramón Freixa - Deck 16: Frutos do mar
Asian Market Kitchen by Roy Yamaguchi - Deck 16: Comida asiática
Butcher's Cut - Deck 16: Churrascaria
Teppanyaki by Roy Yamaguchi - Deck 16: Teppanyaki
L'Atelier Bistrot  - Deck 8: Francês

Como eu disse, o primeiro almoço no Buffet foi frustrante, mas já no jantar as comidas ficaram boas. No primeiro vídeo eu mostrei o jantar desse dia do embarque e no segundo vídeo as comidas que estão sempre disponíveis no buffet do deck 8. Algumas pessoas estavam comentando que o buffet era sempre a mesma coisa, mas não foi o que eu achei. Todos os dias eu via opções diferentes de comidas tanto no Buffet quanto no à la carte. Claro que grande parte do buffet vai se repetir e no cardápio dos jantares tinha, inclusive, uma parte chamada "Sempre Disponíveis", mas as comidas eram boas, bem apresentadas e sempre com novas opções. Para o buffet eu recomendo dar uma volta completa antes de começar a se servir para ver o que tem no dia. As partes junto da entrada, no começo do restaurante, sempre são mais cheias. Evite começar por lá.
Cardápio da noite italiana (clique para ampliar)
Como grande parte de nós, brasileiros, somos acostumados com comidas muito doces e salgadas, muitas pessoas estranham as comidas a bordo por serem "sem tempero", mas para o meu paladar, por exemplo, estava perfeito tanto em açúcar quanto em sal. Os Gelatos Venchi, italianos, são deliciosamente bons e nada enjoativos. Para quem precisa de uma alimentação especial, sempre estão disponíveis opções como sem glúten e vegano.
Também no Buffet estão sempre disponíveis água, gelo, chás, café e leite. Os sucos nas máquinas estão disponíveis apenas no café da manhã. No fim do restaurante também estão máquinas de refrigerante e chopp, bastando passar o seu cartão para comprar. Nos restaurantes à la carte, como nos restaurantes em terra, nenhuma bebida está inclusa, é preciso pagar inclusive pela água (engarrafada).
Uma sugestão: não peçam nenhum tipo de risoto. São bem ruins. Fora isso, não lembro de outro prato que eu não tenha gostado, a alimentação superou de longe as minhas expectativas. Ah, o café do Buffet também estava ruim todos os dias. É "tomável", mas dá para melhorar um pouco com os sachês de Nescafé disponíveis. Eles eram bons no Magnifica,  então deve ter sido uma estratégia para a gente comprar mais os os cafés dos bares. Mas isso vale, os preços são bons e o sabor melhor ainda!

Yacht Club
Eu tive a oportunidade de conhecer uma das suítes do Yacht Club, da seguidora Bruna, que mandou mensagem antes do cruzeiro lá no Instagram e me chamou para ir lá conferir. Obrigado, Bruna!
Essa área reservada, nos últimos decks da classe Fantasia, Seaside e Meraviglia, é um navio dentro de um navio, oferecendo cabines mais espaçosas, mordomo, embarque prioritário, sistema all-inclusive e diversas outras vantagens. Clique aqui para ler a publicação (2016) sobre o YC e no primeiro vídeo da série do MSC Seaview, lá no fim da publicação, tem as gravações da cabine!

Desembarque
Se você, por algum motivo, precisa desembarcar cedo do navio, os camareiros deixam na penteadeira, dois dias antes do desembarque, um papel para solicitar o desembarque prioritário. É só preencher se precisar. No cruzeiro que fiz, o horário de chegada em Santos foi às 06h. Quem conseguiu o desembarque prioritário pôde sair entre as 07h e 07h30 da manhã.
Na última noite eles deixam na cabine um papel dizendo qual é a cor e o número de chamada para o seu desembarque. Também são disponibilizadas as etiquetas para colocar nas malas que serão despachadas da cabine para o terminal e, na ponta delas, veja que tem um adesivo bem pequeno com o número da mala. Cole no seu cartão para identificar no terminal. Na última noite do cruzeiro você deverá colocá-las do lado de fora, na porta da sua cabine, com essa etiqueta até 01h da manhã.
Lembra que eu falei sobre a importância da bagagem de mão na hora do desembarque? Nessa hora você vai precisar dela para guardar tudo o que ainda ficou na cabine da última noite. Lembre de deixar fora da mala a roupa que irá usar no dia seguinte e cuidado para quando for colocar a mala do lado de fora a porta não fechar com seu cartão dentro da cabine.

O desembarque nas cidades pode acontecer de duas formas: direto na escada, quando o destino tem porto para o navio atracar, ou com lanchas, quando o navio ancora próximo da costa e os passageiros navegam até um píer. Nas cidades com porto o embarque e desembarque é bem rápido, já para os que precisam de Tender (as lanchas do navio), é preciso pegar uma ficha no teatro e aguardar o número ser chamado. Chegue cedo se quiser descer logo.
Eles colocam no porto ou no píer uma placa "todos a bordo", com o limite de horário para todos voltarem e a hora que a última lancha vai fazer a travessia para o navio. Claro que se ainda tiver uma fila nesse horário eles ainda vão levar todos.

Opinião geral
O Seaview foi uma ótima surpresa. Como disse no começo dessa publicação, eu estava com expectativas baixas para esse terceiro cruzeiro com a MSC, mas fiquei muito feliz com o que vivi.
Existem pessoas reclamando? Claro que sim. Nunca, em companhia alguma, todos os passageiros vão ficar satisfeitos. Eu recebi pelas mídias sociais reclamações principalmente sobre três pontos: as comidas serem ruins, sobre o navio ser muito cheio e por muitas atrações a bordo serem pagas. Lotação eu só senti no primeiro dia mesmo, o que me deixou bem apreensivo, mas depois ficou tranquilo para a quantidade de pessoas que estavam a bordo, com alguns locais e horários com maior movimento. Sobre as comidas, a minha experiência foi muito boa. Já sobre as atividades, eu também acho que a MSC está cobrando caro demais, principalmente pelo boliche e pela tirolesa.
Um problema importante que eu observei é a quantidade de tripulantes. 90% dos tripulantes que eu falei foram super simpáticos e atenciosos, nada a reclamar em relação a isso. Mas em alguns momentos a gente percebia que a quantidade era insuficiente. Exemplo: nos bares durante as festas não tinha como eles darem conta de tantos pedidos. Uns 100 tripulantes a mais seriam muito bem-vindos.

Mas isso é a minha opinião. Eu tenho recebido várias no YouTube e no Instagram, tanto positivas (a maioria) quanto negativas, às vezes contrariando tudo o que eu disse sobre determinado ponto. Mas eu não estou aqui para defender o navio e nem para contrariar comentários negativos, eu quero que vocês digam mesmo o que acharam, cada um com de acordo com as suas experiências pessoais. Só não briguem, por favor hahaha
Uma pessoa me disse estar muito preocupada porque vai embarcar no Seaview e viu reclamações no site Reclame Aqui sobre ele. O que eu tenho a dizer é que um cliente insatisfeito tem muito mais chances de escrever uma reclamação do que um satisfeito escrever um elogio. Com 5000 pessoas por viagem, vamos sempre ter reclamações. Então não estraguem essa fase tão boa que é a expectativa para embarcar! Só vão e aproveitem ao máximo o cruzeiro!

Quero mandar um abraço especial aos seguidores que tive o prazer de conhecer a bordo desse navio: Bruna, Daniel, Tamara, Diego, Leticia, Adriana, Fernando, Flavia, Tatiana, Samuel, Luciana, Alessandra e todos os demais que foram super companhias nessa viagem. Eu esqueci o nome de alguns, mas jamais vou esquecer de vocês! Foi super legal ter experiências como a de encontrar um casal de Santa Catarina que tinha me visto no YouTube, conversar bastante com eles, comer uma pizza juntos e, quando voltamos para as cabines, descobrimos que éramos vizinhos de porta!

E tem muito mais:
Tem várias dicas que eu guardei para os vídeos! Tudo sobre a cabine, comidas sempre disponíveis no buffet, primeiro jantar do cruzeiro, toboáguas, como funcionam os elevadores, as festas... Enfim, muitas informações complementares estão na playlist abaixo. Não esqueçam de se inscrever no canal do YouTube! A área de comentários aqui embaixo é de vocês :)


Copyrigh© RG Cruzeiros. All rights reserved. Imagens e Textos com direitos reservados. Rodrigo Guerra.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

Oceania Marina: Embarquei em um luxuoso navio Gourmet

Existe uma frase popular que diz o seguinte: "é melhor ver algo uma vez do que ouvir a respeito mil vezes". E o Oceania Marina é um exemplo real disso.
Eu já podia apostar no Cruise Critic que todos os anos o Marina e o Riviera iriam ganhar prêmios como Melhor Navio em Geral, Melhores Jantares ou Melhores Cabines; já tinha lido várias vezes sobre os navios e assistido alguns vídeos; sabia a ficha técnica deles e podia passar as principais informações sobre a vida a bordo e o que eles têm para oferecer.
Recepção do Marina

No último domingo eu embarquei no Marina com um grupo de agentes e convidados para uma visita técnica com André Mercanti, o diretor comercial da Norwegian Cruise Line no Brasil - já que a Oceania é parte do grupo Norwegian.

Embarcamos aqui no Recife para conhecer as principais áreas públicas do navio, com destaque para os dez restaurantes. Para o tamanho dele, um navio médio, isso é um número impressionante! Mas vale lembrar que ele tem a metade da capacidade de passageiros de um navio intermediário e tem o foco justamente no título "Gourmet". Ah, aquelas refeições...
O Jacques tem um ambiente parisiense.

Para servir esses pratos Gourmets, a Oceania incluiu várias opções de restaurantes a bordo. O The Bistro, sem necessidade de reserva, é um restaurante francês com a culinária do renomado chefe Jacques Pepín; o Polo Grill, que precisa de reserva para o jantar, é uma churrascaria super elegante que fica do lado do Toscana, um luxuoso restaurante italiano que funciona apenas no jantar - com reserva; o Jacques, com móveis e obras pessoais do Jacques Pepín, traz uma atmosfera parisiense para o navio. Assim como o Toscana, ele só abre para o jantar. Para quem gosta de comida asiática em geral, não apenas japonesa, o Red Ginger é a melhor opção para o jantar; já o Terrace Café, o restaurante buffet do navio, oferece refeições durante todo o dia em um ambiente super elegante e com uma ampla varanda na parte de trás. Não pense que as comidas no buffet são como as que estamos acostumados a ver em navios intermediários. Eu vou mostrar no vídeo abaixo. Um restaurante super concorrido é o La Reserve by Wine Spectator, um jantar com vários pratos harmonizados, cada um, com vinho, uma experiência sem igual para os amantes de bons vinhos. Para quem gosta de um ambiente bem informal e descontraído, o Waves Grill, localizado na área da piscina, oferece almoço e jantar ao ar livre, com cardápio americano e vegano. O mais caro e exclusivo restaurante a bordo do Marina é o Privée. Ele possui uma única mesa, para 10 pessoas, com cardápio do Polo Grill e do Toscana. É o local perfeito para uma reunião ou festa privada. O último restaurante é o Grand Dining Room, onde almoçamos. Ele é um restaurante à la carte em um ambiente com decoração super clássica. O cardápio, com direito a lagosta e caviar servidos em porcelanas Versace, foi de tirar o fôlego e os pratos, à medida que iam chegando, iam nos surpreendendo cada vez mais.
Quer ver o que almoçamos aqui? Assista ao vídeo abaixo!

Todos eles, com exceção do Polo Grill e do Toscana, possuem a sua própria cozinha especializada. Cada um também possui a sua adega, só com aqueles rótulos que harmonizam perfeitamente com os pratos servidos pelos educados e atenciosos garçons, que não deixam faltar nas nossas taças um refinado vinho tinto ou branco.

Algo muito perceptível foi como os tripulantes são prestativos e fazem de tudo para te proporcionar os melhores momentos a bordo. Uma passageira, já no terminal, estava contando como o navio e a tripulação eram encantadores. E todos concordamos com ela. A sensação de espaço, conforto, serviço e alimentação são completamente diferentes do que estamos acostumados a encontrar nos navios 4 estrelas. É claramente uma experiência all-inclusive super diferenciada, tanto que  muitas pessoas acham que não encontramos navios assim aqui pelo Brasil. Costa, MSC e Pullmantur são as companhias que fazem temporadas completas na América do Sul, mas empresas como a Oceania, apesar de não passar os 4 meses, estão sempre por aqui oferecendo alguns embarques, principalmente no Rio de Janeiro, com destino ao Uruguai, Argentina, Chile e até à Polinésia Francesa, como seguiu o Marina.

As suítes, com amenidades Bulgari, são um charme à parte. Tivemos a oportunidade de conhecer uma luxuosa Penthouse. Você pode conferir essa suíte, o spa, academia, alguns lounges, bares, restaurantes e todos os pratos que comi no almoço clicando no vídeo no fim desta publicação!

Mas vamos para um ponto importante: é mais caro que um cruzeiro Costa ou MSC? Com certeza. E tem que ser. Se você procura um nível desse em relação a tudo é preciso investir mais; o mesmo vale para um hotel. Mas uma coisa é verdade: vale demais! Você não vai encontrar aquela filas, demora para embarcar, barulho, diversos anúncios, vendedores tentando te convencer a comprar produtos no spa e nem piscinas lotadas. Esse é, sem dúvidas, o navio mais relaxante que já embarquei até hoje.
Eu vivi o Marina por apenas 4 horas, mas já foi o suficiente para confirmar que tudo aquilo que eu li mil vezes era realmente verdade. Ainda assim ele foi capaz de me surpreender.

Copyrigh© RG Cruzeiros. All rights reserved. Imagens e Textos com direitos reservados. Rodrigo Guerra.

domingo, 7 de outubro de 2018

Como fazer o check-in online para um cruzeiro MSC?

Eu postei no Stories do Instagram dizendo que tinha acabado de fazer o meu check-in para o cruzeiro no MSC Seaview em dezembro. Com isso muitos de vocês vieram me perguntar como fazer e quais as vantagens dele. Como vi que a dúvida foi de muita gente, resolvi deixar explicado aqui no site também!

O check-in online, ou Web Check-In, pode ser feito de três meses a três dias antes do embarque no cruzeiro. Durante todo esse período também é possível modificar as informações.
Ele é simples e vai agilizar o embarque porque não será preciso preencher os dados no terminal e conferir tudo, você já chega com o seu e-ticket preenchido e impresso - o que faria as filas nos terminais marítimos andarem bem mais rápido. Mas isso apenas torna o processo mais rápido! Não há prioridade no embarque ou fila especial para quem fez o check-in online, tá?

COMO FAZER

Basta acessar o site da MSC e clicar em "web check-in" ou em "fazer login ou acessar a minha reserva" no canto superior direito da tela. Nessa última você precisará fazer o login com seu email e senha ou criar uma conta.

Clicando em Web Check-in será pedido o seu número da reserva, primeiro nome e o sobrenome.
Se tiver feito a sua reserva com uma agência de viagens eles vão ter o número da sua reserva, mas você provavelmente já terá recebido deles. Se não souber peça ao seu agente de viagens. Se a reserva foi feita pelo site da MSC, esse número estará no seu e-mail.

Para o check-in será preciso preencher e conferir cuidadosamente todas as informações como elas estão no documento que será usado para o embarque. Lá também é possível escolher se quer uma cama de casal ou duas de solteiro, a sua preferência do turno de jantar e dizer se está viajando com amigos ou parentes em outra cabine, o que permite buscar uma mesa para todos sentarem juntos.
Perceba que só será possível fazer o check-in de quem vai na sua cabine. Se tiver reservado mais de uma - mesmo que no mesmo número de reserva - será preciso fazer o login com as informações de uma pessoa da outra cabine para realizar o processo.

Concluindo todas as etapas você receberá por e-mail o seu e-ticket com todas as informações do cruzeiro e as etiquetas para colocar nas bagagens, já com o número da sua cabine. Ele será usado para o embarque.
Qualquer dúvida mandem no direct do Instagram @rgcruzeiros, eu respondo mais rápido por lá. Boa contagem regressiva a todos!

Copyrigh© RG Cruzeiros. All rights reserved. Imagens e Textos com direitos reservados. Rodrigo Guerra.


domingo, 2 de setembro de 2018

Os Navios de Cruzeiro Balançam?

Muitas pessoas dizem para os marinheiros de primeira viagem que os navios não balançam, que eles são tão grandes que você não vai sentir nada, que eles têm estabilizadores para eliminar 99% do balanço...
Mais estáveis que nunca eles estão, isso é verdade. Mas que eles não balançam não dá para afirmar. É bem verdade que durante grande parte do cruzeiro a gente nem sente mais o chão mexer, tanto porque o mar está calmo quanto porque o nosso cérebro já se acostumou com o movimento e passa a ignorá-lo. Mas saiba que o balanço, por menor e quase imperceptível que seja, sempre vai existir. Mas não se preocupe tanto com enjoos, leia esta publicação para se prevenir.

Estabilidade dos Navios

Fonte: naviearmatori.net/eng/foto-94441-4.html
Os navios foram durante muito tempo o único meio para atravessar os oceanos e fazer  viagens de longa distância. Na era dourada dos transatlânticos, do começo dos anos 1900 até a metade do século, as companhias investiam cada vez mais na construção dos maiores, mais luxuosos e mais rápidos transatlânticos do mundo.
Cada vez mais preocupadas em transportar os seus passageiros com o máximo em luxo, serviço e alimentação, as companhias estavam procurando um modo de diminuir o desconfortável balanço dos seus navios, principalmente quando eles estavam fazendo travessias pelo Atlântico Norte, algo que incomodava os refinados jantares. No ano de 1931 a armadora Società Italiana di Navigazione trouxe um equipamento que a diferenciou de toda a indústria da navegação: o Giroscópio. A bordo do Conte di Savoia, um navio para 2200 passageiros, foram instalados três deles. Os giroscópios funcionam como gigantes ventiladores que se inclinam de acordo com o movimento do navio, empurrando-o no sentido contrário ao do balanço.
O novo transatlântico foi um sucesso, conhecido como "O Navio Sem Balanço", passando a oferecer as viagens com o maior conforto entre todas as embarcações.

Fonte: rolls-royce.com
Atualmente os navios de cruzeiro, uma modificação dos transatlânticos para uma nova realidade de mercado, são equipados com estabilizadores muito menores e mais eficientes. Eles são duas ou quatro pequenas asas dos lados dos navios, tendo os Flaps, da aeronáutica, como inspiração para a sua criação. Para um avião virar para um lado e o outro essas pequenas asinhas móveis na ponta das asas se levantam ou abaixam para empurrar o ar para cima ou para baixo. Nos navios elas empurram a água, forçando-os para o lado oposto do balanço. Quando não estão sendo usados eles são retraídos, para diminuir a resistência da água, o que resulta em maior economia de combustível e uma maior velocidade.
O problema é que esses estabilizadores, assim como os giroscópios, só conseguem trabalhar contra o balanço lateral do navio; então eles eliminam até 99% do balanço, como dito lá no começo da publicação, mas só do balanço lateral. Ainda não conseguimos encontrar uma forma de anular aquele movimento de cima para baixo, mais sentido na popa e na proa.

Para reduzir um pouco esse balanço são instalados os chamados Duck Tails. Eles são uma extensão na parte de trás do navio, o que aumenta o tamanho do casco. Eles oferecem um melhor apoio do navio no mar e maior resistência para baixar a popa quando estiver balançando.
Os Duck Tails também são usados para aumentar a estabilidade do navio quando eles passam por uma reforma que adiciona peso nos andares superiores, como no Carnival Elation, por exemplo. Ter uma área de contato maior com o mar permite que ele não incline tanto mesmo com um centro de gravidade mais alto. Alguns Ferry Boats já adicionaram extensões laterais também.

Para o futuro... Não sei o que poderá ser feito para diminuir ainda mais ou até eliminar o balanço, mas certamente alguém vai aparecer com uma ideia nova. Ainda assim acredito que navios sem balanço seriam parte de uma realidade um pouco utópica, já que o chão deles, o mar, sempre está se movendo. Só as plataformas de petróleo, que são fixas no fundo do mar, ficam paradas mesmo no meio dos mares mais revoltos do mundo. Mas vamos ver. Por enquanto eu gosto mesmo é de sentir o balanço do mar, eu considero uma parte muito legal da experiência de fazer um cruzeiro. Se esse futuro utópico chegar eu vou sentir muita falta disso!

Copyrigh© RG Cruzeiros. All rights reserved. Imagens e Textos com direitos reservados. Rodrigo Guerra.